Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

06
Jan18

"Se For Um Sonho"

João Jesus e Luís Jesus

narrative-794978_1920.jpg

Dei por mim a pensar.

Será que estou a sonhar? E se tudo isto não passar de um grande sonho, com pesadelos dentro? 

Será que a realidade é pior que isto? Será que me atrevo a acordar?

Se tudo isto for um sonho, agradeço à minha linda cabeça pela enorme história que está a criar. Tem os seus pontos altos e também os seus pontos baixos, mas acho que é uma história linda de ser contada.

Não sei porquê, acho que posso mesmo estar a sonhar! Principalmente quando acontece algo demasiado bom, julgo que não pode ser realidade!

Quando presencio momentos maus, oh por favor, não quero mais nada do que acordar na minha cama e dizer a mim próprio que tudo isso era um sonho, um sonho muito mau. Um pesadelo!

Gostava de saber como é a realidade, como é a vida sem estar a sonhar. Será mágica? Será terrível? Será tão má que apenas quero sonhar com algo melhor?

Não sei! Só sei que quero mais disto! Quero sentir-me vivo. Quero sentir mais do mesmo! Quero ter mais surpresas. Quero continuar a viver onde eu amo estar.

Se isto tudo for mais um sonho muito, muito longo, quero apenas continuar a sonhar.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

 

05
Jan18

"Viver é Não Saber Que Se Vive" - Florbela Espanca

João Jesus e Luís Jesus

still-life-851328_1920.jpg

Ponho-me, às vezes, a olhar para o espelho e a examinar-me, feição por feição: os olhos, a boca, o modelado da fronte, a curva das pálpebras, a linha da face... E esta amálgama grosseira e feia, grotesca e miserável, saberia fazer versos? Ah, não! Existe outra coisa... mas o quê? Afinal, para que pensar? Viver é não saber que se vive. Procurar o sentido da vida, sem mesmo saber se algum sentido tem, é tarefa de poetas e de neurasténicos. Só uma visão de conjunto pode aproximar-se da verdade. Examinar em detalhe é criar novos detalhes. Por debaixo da cor está o desenho firme e só se encontra o que se não procura. Porque me não esqueço eu de viver... para viver? 


Florbela Espanca, in "Diário do Último Ano" 

01
Nov17

"Estranha Forma de Vida" - Ana Ribeiro

João Jesus e Luís Jesus

21768436_1842460142734101_8200506317616948416_n.pn

 Hoje foi dia de mais um dos nossos encontros. Desde a adolescência que todas as semanas, eu, a Babi, a Sílvia, e a Nonô, às Quartas-feiras à noite, fazemos a nossa noite de mulheres. Nestas nossas noites, não é permitida a entrada a namorados ou maridos, deixamo-los em casa sozinhos a suspirar noite dentro pela nossa chegada e a imaginarem como são estas nossas noites exclusivamente femininas. Nunca lhes revelamos nada, fica tudo no segredo dos Deuses, só nós é que sabemos todos os detalhes. E vamo-nos divertir… Sozinhas.

O trabalho é outra daquelas coisas que não é convidada para a festa, nestas nossas noites, reunimo-nos e falamos de todos os assuntos de mulheres possíveis e imaginários excepto de coisas de trabalho. É mesmo expressamente proibido, mas nem sempre é fácil evitar, muitas vezes caímos no erro de falar de coisas relacionadas com o nosso trabalho. Sabem como é, faz parte do dia estarmos constantemente a falar de trabalho, é daquelas coisas que se entranha facilmente na pele. E depois não conseguimos desligar, e os assuntos acabam a fugir sempre para o mesmo.
Precisamente por causa do trabalho, a nossa noite feminina de hoje esteve mesmo para não se realizar, algo que nunca tinha acontecido até hoje. Mas entretanto a Babi ligou-nos e disse que precisava muito que nos encontrássemos hoje, que tinha uma coisa muito importante para nos contar. 
Tentamos reorganizar-nos e lá fomos, até ao bar do costume…

– Então o que é se passa?!
– Lembram-se das minhas férias em Ibiza?! Eu traí o Filipe com o Personal Trainer do ginásio do hotel.
Caiu como uma bomba.
– Tu o quê?! Enlouqueceste?!
– Talvez… Acho que não fui capaz de resistir. E por isso é que acabei tudo com o Filipe, antes fugir do que remediar.
– Tu acabaste tudo com ele para não teres que lhe contar a verdade?!
– Sim. É melhor assim. Para além disso o mal já está feito e não há volta a dar. Mais vale ele nem se quer vir a saber.
– Tu é que sabes, mas acho que fazes mal. Virares as costas aos problemas nunca foi uma boa solução. Há que encarar a vida de pé e de frente.

E dois dias depois… O Filipe acabaria por descobrir tudo.

 

 

Texto de Ana Ribeiro, escritora e blogger do blog "Escreviver"

27
Out17

"Querido Diário"

João Jesus e Luís Jesus

book-2589045_1920.jpg

 Querido Diário,

Nem sei se te devo chamar querido! Cada dia que passa perco cada vez mais sentimentos por todos. 

Não sei porquê, não sei como, mas já não me interessa absolutamente nada! Nem quero saber o que o meu cão fez ou deixou de fazer, o que a minha avó teve e o que aconteceu ali.

Estou-me nas tintas, é uma forma de dizer!

Sinto-me desligado do mundo. Também não sei porquê. Sinto que não pertenço aqui. Sinto que não tenho nada que me prenda neste lugar.

Antes de tudo, não vou fazer nada estúpido! Quero apenas continuar a tentar senti-me bem por estar aqui. Quero sentir o que realmente é viver.

Quero correr por um campo cheio de relva verde e curta, enquanto tento alcançar o horizonte, onde o sol se põe. 

Quero sentir o vento passar-me no corpo. 

Quero sentir-me feliz por algo que concluí. 

Quero apenas, viver. Sentir alguma coisa. 

Acho que a vida se esqueceu de mim e me deixou vazio. Quero apenas sentir algo, nem que seja a dor de uma picadela de abelhas, pois já não sinto isso.

Enfim, querido diário, preciso apenas da vida para me sentir vivo.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

17
Set17

"Mexe-te"

João Jesus e Luís Jesus

sunset-2650200_1920.jpg

 Se alguma vez pensares que as coisas boas te vêm ter à mão, estás enganado.

Para vivermos as coisas boas temos de correr atrás delas e não ficar à espera. Não fiques parado

Mexe-te.

Corre atrás da alegria. Salta por cima do medo. Ultrapassa as inseguranças e vence a corrida com compaixão pelos outros.

Não serve de nada estar parado quando as melhores coisas da vida nunca virão ao nosso encontro. Temos de nos mexer para as conseguir apanhar.

Mas se quisermos mesmo agarrar com força todas essas coisas, nunca nos sentaremos à espera. Correremos até à exaustão.

Por isso, mais uma vez, mexe-te. Não fiques parado.

Pois assim perdes o melhor da vida.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL