Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

12
Jan18

"Do Alto"

João Jesus e Luís Jesus

moon-3059861_1920.jpg

Estava com os olhos fechados, a dormir profundamente quando acordou de repente.

Sentia algo estranho no ar, um cheiro suspeito e um som aterrorizante ao longe. As suas penas eriçaram-se de imediato.

Sabia que algo mau vinha aí. 

Olhou com mais atenção para o horizonte. Via bem de noite, mas estava muito nublado, muito escuro... Não via quase nada!

De repente, chegou um enorme estrondo bem perto da sua árvore. 

Era água! Litros e litros dela! De onde é que veio tanta? 

As luzes das casas mais próximas iam ligando-se uma a uma, mas a água chegava às casas muito rapidamente, destruindo a maioria. 

Não sabia o que fazer! Estava encurralada! Tinha de voar para muito longe para um sítio seguro.

Porém tinha pena dos humanos lá em baixo. Ouvia-se gritos, ouvia-se o som da destruição.

Fechou os seus enormes olhos de coruja e desejou que tudo ficasse bem. Vivia ali desde que nascera.

Ouvia cada vez mais gritos, cada vez mais dor. Deixou cair uma lágrima no enorme rio que se estendia abaixo de si. 

A sua árvore ameaçava cair. Tinha de ir embora.

Abriu as asas e voou. Olhou para trás, não via mais nada sem ser a água a engolir tudo o que via. A sua árvore caiu com um enorme "chape" na água.

Continuou a voar. Tinha de chegar a um sítio seguro.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

 

 

12
Set17

"Querer Viver"

João Jesus e Luís Jesus

hand-984170_1920.jpg

 A poeira fazia os olhos doerem imenso. Não se via absolutamente nada, apenas um enorme véu de poeira no ar. 

Mal conseguia respirar. Inspirava devagarinho, mas mal tentava fazer isso, dava consigo a tossir infinitamente. Tentou respirar pela sua camisola, mas esta era muito fininha.

Avistava a luz da janela a tentar passar por entre a poeira. Queria sair dali. Queria continuar a viver.

Estava tonto e magoado. A poeira, o cheiro a queimado e o sangue deixavam-no profundamente enjoado. Várias pedras tinham caído por cima de si e estava cheio de feridas.

Tentou arrastar-se até à janela, para respirar um pouco de ar fresco, mas esta parecia estar cada vez mais longe. Desistiu ao fim de poucos minutos. 

A sua perna magoada, pesava como um elefante e quando fazia um pequeno movimento com ela, dava consigo a gemer de dor.

Começou a chorar. Já estava morto! Não havia salvação possível. Iria morrer ali, no chão da sua cozinha. 

Ele não queria morrer. Queria sair dali para voltar a ver os seus pais. Queria sair dali para continuar a ser feliz. Mas isso iria ser impossível, pois nunca iria sair dali vivo.

Irritado, deciciu voltar a tentar sair dali. Arrastava-se até à janela, ignorando as dores excruciantes na sua perna. Já estava perto da janela.

A janela já estava partida. Olhou para baixo e viu uma enorme multidão a gritar desesperada. Estava muito alto! O resto do prédio estava destruido.

Os bombeiros não podiam subir. Não sabia o que fazer.

Então, decidiu que era hora de morrer. Não iria querer morrer devagar, então, decidiu que se iria atirar pela janela e rezou para que alguém o conseguisse apanhar.

Respirou fundo, olhou para os céus e gritou. Despediu-se do mundo e com muita coragem, atirou-se fora da janela.

Os seus pulmões pareciam estar a queimar enquanto caia. Ele fechou os olhos. 

De repente, sentiu que tinha caido em cima de algo mole. Abriu os olhos e viu. Estava vivo, tinha caido em cima da lona dos bombeiros. 

Iria voltar a viver.

 

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL