Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

10
Dez17

"Perdido"

João Jesus e Luís Jesus

gorge-2994975_1920.jpg

 

Finalmente estava lá em cima!
Subiu para a pedra mais alta e olhou. Lá embaixo via as casinhas todas, as luzes ligadas e algumas crianças a brincar na rua.

Já há muito tempo que tentava subir aquela enorme montanha, para ver melhor o mundo.

Queria ver as casas todas, queria ver algo familiar. Não sabia onde estava. Estava perdido.

Estava perdido pois um homem estranho, de barba enorme e dentes podres o tinha levado para um sítio suspeito e ele conseguiu fugir.

Olhou atentamente para todo o lado. Não via nada familiar. Não via a sua casa. Não via o seu carro. Não via os seus pais à procura dele.

Sentou-se na pedra e chorou. Tinha sido em vão! Estava perdido eternamente. Nunca iria encontrar a sua casa. Ia viver na floresta para a vida toda.

De repente, levantou-se outra vez e olhou para o horizonte. Via o sol a tentar esconder-se para dar lugar à noite. 

Então decidiu perseguir o sol até encontrar a sua casa. Talvez o sol fosse seu amigo e lhe desse luz para encontrar a sua casa de novo.

Desceu da pedra, com um leve sorriso na cara e começou a correr. 

Iria encontrar a sua casa.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

12
Out17

"Caída no Chão"

João Jesus e Luís Jesus

desperate-2293377_1920.jpg

 O telefone partiu-se no chão.

Ficou petrificada. O coração congelou. 

Caiu ao chão, mas não se quis levantar. Ficou ali, parada. 

Então, de repente, as lágrimas começaram a jorrar-lhe dos olhos. Um buraco abriu-se-lhe no peito. Sentia uma dor terrível, como nunca sentira antes.

Nunca mais o iria ver! Nunca mais! 

Agarrou-se ao peito. Queria cobrir o buraco, para que este parasse de doer tanto. Mas não conseguia.

Gritava. Gritava bem alto para que pudesse acordar, para que lhe dissessem que era um sonho.

Mas não era. Era bem real.

Estava morto. O seu filho, o seu único filho, fora morto. Nunca mais o iria ver. 

Lembrou-se do seu marido. Será que ele já sabia? Devia estar a chegar do trabalho.

Gritou outra vez.

Ela bem o tinha avisado para não ir para longe de casa, para longe deles. Mas ele apenas queria estudar! 

Agora, jazia na estrada negra, no meio dos gritos das pessoas aterrorizadas pela explosão. 

Gritou outra vez. Tentou controlar a dor, mas esta não deixava ser controlada. Queria libertar-se.

Viu os pedaços do telemóvel partidos no chão da cozinha. Não queria saber.

A passos rápidos, chegou ao quarto onde dormira o seu filho, ainda há uns meses atrás.

Os gritos pararam. A dor pareceu atenuar. Sentia o seu cheiro.

De repente, deixou-se cair na cama dele e a dor voltou. Voltou ainda maior porque se lembrou dele.

Então, continuou a gritar por entre as suas lágrimas de mãe. 

Nunca mais iria ver o seu filho.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

06
Out17

"No Banco da Frente"

João Jesus e Luís Jesus

road-2609200_1920.jpg

 Carregou no travão rapidamente.

Mais um pouco e o carro da frente ia ficar com um amasso. Não o tinha visto! 

Parou o carro, pois estava uma grande fila deles à frente. Olhou para trás.

- O que aconteceu, mamã? - Perguntou a filha que ia no banco de trás

- Nada! Volta a dormir, meu amor. - Confortou-a

A menina piscou os olhos e voltou a deitar-se no banco.

Ela abriu o vidro, mas fechou-o imediatamente. Ainda cheirava muito a fumo!

Foram obrigadas a evacuar, pois o vizinho incendiou a casa, provocando um grande incêndio, que rapidamente se propagou pela vila inteira.

As lágrimas escorriam-lhe pelo rosto, silenciosas. A sua casa, a sua vida, todas as suas coisas, ficaram para trás. 

Não conseguia descrever a dor que sentia. Era enorme, tão dolorosa! Tinha de recomeçar a sua vida do zero, agora. 

Onde é que ia dormir à noite? Onde é que se iria abrigar nos dias de chuva e frio? Onde é que iria ouvir as vizinhas tagarelar sobre o marido da senhora Cristiana? E pior, onde é que ia viver com a filha, o seu único bem?

Os olhos encheram-se de lágrimas. Apertou com força o volante. Estava enervada!

O carro da frente começou a andar e então, ela não pode fazer mais nada do que o seguir.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL