Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

10
Mai18

"Dançar Pela Vida" - Ana Ribeiro

João Jesus e Luís Jesus

10995879_743716935715608_6591152991923987927_n.jpg

Era uma das avenidas mais movimentadas de Estocolmo – uma avenida desassossegada e desengonçada -, onde se ganhava a vida; Luísa estava há dois dias na cidade, iria permanecer ali nos próximos três meses com a Ana, o Pedro e o Guilherme, em Erasmus, pela universidade. Estavam a tirar o curso de turismo.

Já tinham visitado uma boa parte da cidade e estavam a divertir-se imenso, faltava-lhes conhecer aquela avenida emblemática: caminho infinito por entre árvores, calçada de pedras e cimento, sons, luz, cor e alguma pobreza; diziam que era a avenida daqueles que não tinham família e que fugiam das instituições. Apelidavam-na de “A avenida da má vida”, e isso por vezes tornava-se assustador, afastando as pessoas; mas aquele grupo de amigos – destemidos, irreverentes, elétricos e rebeldes – não tinha medo. Por entre gargalhadas, conversas e brincadeiras: seguiram em frente.

Joseph na sua inocência de adolescente, tinha acabado de chegar: mochila às costas, rádio ao ombro, cabelo sujo e despenteado com rastas, fato-de-treino e sapatilhas. Pousa o rádio no chão; pousa a mochila a um canto: abre-a, retira uma caixa do seu interior, coloca-a a seus pés, carrega no “play”, a música começa e os primeiros movimentos também. Ali conheciam-se uns aos outros e quase todos tinham o gosto pela dança e pela música; estava particularmente tenso: no dia anterior, ele e uns amigos, tinham sido apanhados pela polícia a vasculhar um caixote do lixo, tinham sido algemados e agredidos e depois levados para a esquadra. E umas horas depois libertados.

Não estavam a fazer nada de mal; apenas procuravam comida e as pessoas desperdiçavam tanta; num impulso tinha agredido um polícia, sabia que tinha que se controlar mais e que ter calma, mas a vida era tão difícil.

Adorava dançar – era assim que ganhava a vida – e sonhava um dia ser um grande bailarino. A única coisa que queria na vida era que o deixassem dançar e mostrar o que mais gostava de fazer: a dança era a sua vida.

Luísa e os amigos passeavam descontraidamente e de repente repararam em Joseph, pararam para o ver dançar e ficaram fascinados; dançava muitíssimo bem. Entretanto, Ana passou por um quiosque e comprou um jornal para ler e Luísa reparou num anúncio que dizia que uma academia estava à procura de jovens bailarinos.

E de repente teve uma ideia…

 

Texto de Ana Ribeiro, escritora e blogger do blog "Escreviver"

 

 

22
Set17

"Com Os Auscultadores Nos Ouvidos"

João Jesus e Luís Jesus

tape-salad-599459_1920.jpg

 Fechou a janela do quarto muito depressa. 

Nevava lá fora e estava um frio de rachar. Ainda com arrepios, passou a mão pela camisola grossa e apertou-se um pouco, para tentar eliminar o frio.

Estava aborrecido. O dia não tinha corrido bem.

Era daqueles dias em que só lhe apetecia enroscar-se nos cobertores e ficar ali parado, sem ligar nenhuma ao mundo, durante horas a fio. E era isso que ia fazer!

Agarrou no seu walkman, quer dizer, o do seu pai. Fora ele que lho dera quando estava quase à beira da morte. Guardava-o com muito cuidado, era o seu bem mais precioso.

Colocou a sua cassete preferida no walkman e colocou os auscultadores nos seus ouvidos.

Atirou-se para a cama e enfiou-se dentro dela. Estava quente, confortável. Fechou os olhos e respirou fundo.

Sentia falta do pai. Sentia falta das longas conversas com ele. Sentia falta das cantorias no carro de manhã cedo.

Devagar, carregou no botão do play do walkman. Ouviu a cassete rodar e de repente, começou aquela música que ele conhecia tão bem.

Fechou os olhos e sorriu para o teto. Era bom lembrar-se dos bons momentos com o seu pai. 

Deixou cair uma lágrima em nome do seu pai e adormeceu ao ouvir a música.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL