Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

17
Fev18

"Despedida"

João Jesus e Luís Jesus

close-3083812_1920.jpg

Olhou para o relógio uma última vez e reparou que era quase meia-noite. 

Corria pela rua apinhada de gente em Nova York. Tinha de chegar a casa. Queria estar alguns momentos com o seu filho antes de partir no dia seguinte para uma missão em África.

Cada vez mais gente se juntava nas ruas. Mal conseguia passar. Mas nesta noite, ele faria o impossível. Queria ver o seu filho uma última vez antes de partir.

De repente, bateu contra alguém e caiu no chão.

- Desculpe! - Disse o senhor

- Não faz mal. - Disse, levantando-se imediatamente e recomeçando a corrida

Sentia o peito a arder, as pernas a ceder... Sentia que podia morrer a qualquer momento. Mas hoje, até tentaria matar a Morte, só para ver a cabeça do seu filho uma última vez.

Chegou à porta do prédio e à pressa tirou as chaves do bolso e abriu a porta muito rapidamente. Carregou no botão do elevador, mas não queria esperar e desatou a correr pelas escadas acima. 

Abriu a porta de casa e atirou as chaves para o chaveiro.

- Fred? - Disse

Não ouviu resposta, mas começou a ouvir passos vindos da cozinha.

- Fala baixo, ele está a dormir. - Disse a sua mulher

Suspirou. 

- Prometeste que chegavas mais cedo hoje. Ele esperou por ti, mas acabou por adormecer. - Revelou ela - Não lhe podes prometer algo e nunca cumprir.

- Eu sei. - Abraçou-a - Mas não consegui sair mais cedo. E tenho de me despedir dele.

Ela olhou para ele seriamente e notou que os seus olhos se enchiam de água.

- Parece que o dia chegou. - Disse, beijando-o - Vai lá despedir-te dele. 

Abraçou-a novamente e entrou no quarto do filho.

Ele ressonava baixinho na sua cama. Resolveu não o acordar.

Sentou-se na borda da cama e olhou para o filho. Ele respirava devagarinho. 

As lágrimas começaram a sair dos seus olhos. Colocou a mão no cabelo do filho, sentindo-o uma última vez. Adorava mexer-lhe no cabelo. Acalmava-o.

Beijou-lhe a testa e acariciou-lhe a cara. Devagarinho, já muito emocionado, levantou-se e saiu do quarto, olhando uma última vez para o filho, que dormia.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

14
Jan18

"Risadas"

João Jesus e Luís Jesus

hands-2888625_1920.jpg

Bruno entrou na sala pequena e mal iluminada.

Sabia o que ia acontecer. Era inevitável.

Aproximou-se da cama perto da janela, que tinha a persiana corrida. Lá estava o seu tio, a pessoa que ele mais gostava. 

- Oh, meu Bruninho. - Suspirou ele mal o viu

Bruno sorriu, embora sentisse algo estranho dentro de si, como uma serpente a mexer-se. Sabia que iria começar a chorar em breve.

- Olá, tio Miguel. - Disse

O tio deu uma pequena gargalhada. 

- Pensava que já não irias ver o teu velho tio antes de morrer. - Disse ele

Bruno sentiu o coração a apertar-se. Tinha de se controlar, ou iria chorar mesmo à frente do tio.

- Não pense nisso. Eu iria vir de qualquer das maneiras. - Sussurrou ele e sentou-se perto do tio

O tio tinha lágrimas nos olhos.

- Tenho muito orgulho em ti, Bruninho. - Revelou

Bruno apertou a mão do tio.

- E eu gosto muito de si, tio. - Disse-lhe - Nunca se esqueça de mim, esteja onde estiver, ok?

As lágrimas ameaçavam sair.

- Prometo que não me esqueço. - Combinou - Mas acho melhor contares-me alguma piada, daquelas melhores que tu sabes, para eu nunca me esquecer dos melhores momentos contigo.

Bruno não estava com cabeça para aquilo. Mas era o seu tio, era o seu último pedido, tinha de o cumprir.

- Estou a pensar numa tio... - Informou

- Demora o tempo que precisares, meu filho.

O tio apertou-lhe mais a mão. Não queria despedir-se do seu sobrinho, o filho que ele nunca teve.

Bruno lembrou-se da piada e contou-a ao tio devagarinho, tim-tim por tim-tim. 

Muito rapidamente o tio se começou a rir. Riu-se como Bruno nunca o ouvira. Continuavam de mãos dadas enquanto os dois se riam.

Bruno notou numa lágrima que deslizava pelo rosto do tio. Ia ter saudades dele.

O tio começou a parar de se rir e a fechar os olhos. Bruno não o impediu, sabia que a hora tinha chegado.

O tio fechou os olhos, a lágrima caiu para os lençóis da cama e ele nunca mais proferiu nada. Tinha acontecido.

Bruno levantou-se, sem largar a mão do tio e beijou-lhe a cabeça. 

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL