Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

25
Mar18

"Brincadeiras"

João Jesus e Luís Jesus

scotland-540119_1920.jpg

Alguém tinha acabado de entrar no seu quarto. Bateu com a porta de força e trancou-a à chave.

- Lucas? - Perguntou quando o viu

Este deixou-se cair no chão.

- Encontraram-no. - Disse, com as mãos na cabeça - Encontraram-no, Rui! Estamos lixados!

Rui sentiu o coração parar. Não podia ser! Não o podiam ter encontrado!

- Raios! Raios, raios, raios! - Gritou

- E agora o que fazemos? - Disse Lucas, apavorado

Rui continuou com a cabeça baixa a olhar para o tapete do seu quarto.

- Foi tudo culpa nossa. Eu sabia que era má ideia. - Queixou-se Rui

- O quê? Ambos alinhamos na brincadeira! Queres mandar as culpas para cima de mim, como sempre, não é? - Gritou Lucas, enfurecido

Rui suspirou.

- É verdade.

Lucas começara a chorar.

- Não consigo viver com isto! Ele nunca teria saltado para a água se não o tivessemos encorajado. - Gemeu Lucas

- Não foi bem encorajar. Nós chamamos-lhe nomes! Ele queria ser corajoso e saltou. - Sussurrou Rui

A história do seu amigo passou-lhes nas cabeças.

Estava um dia nublado, quase a chover. Foram todos juntos às falésias, onde costumavam saltar para a água no Verão. 

Levavam consigo o seu amigo, Fernando. Este era o menos corajoso dos dois, um aluno estudioso e bom rapaz. Porém, naquele dia eles queriam divertir-se.

Juntaram-se nas falésias. 

- 'Bora dar um salto? - Perguntou Lucas

- Népias! Deve estar gelada! - Disse Rui

Fernando não falou. Nunca tinha saltado dali, nem no Verão. Tinha medo.

- E tu Fernando? Nunca saltas-te! Primeiro tu e depois vou eu. - Encorajou Rui

- Nem pensar! Que horror. - Queixou-se Fernando

Os dois riram-se do amigo.

- Anda lá! Diverte-te um pouco! - Disse Lucas, mexendo no cabelo do amigo - Precisas de um pouco de loucura. Se estiveres em apuros nós salvamos-te.

Fernando não queria ir. 

- Não. Não vou.

- Oh anda lá, Nando! Não sejas um pita! - Disse Rui entre risos

- Cócórócó! - Imitou Lucas, atrás do amigo - Pita!

Fernando detestava quando lhe chamavam nomes. 

- Ok. Eu vou, mas eu mato-vos se morrer. - Disse, enquanto tirava a camisola e as calças

Os amigos sorriram. Era a primeira vez que Fernando alinhava em alguma coisa.

- Pronto? - Perguntou Rui

- É agora ou nunca, Nando! - Disse Lucas, sorridente

Fernando olhou para a água. Estava um pouco agitada e parecia gelada. 

- Ok! Aqui vou! - Respirou fundo

- Força! 

- Tu consegues.

Passados alguns segundos, Fernando tomou coragem e saltou para as águas.

Rui e Lucas esperaram alguns segundos para ver o amigo emergir. Mas nada. Esperaram mais um pouco.

- Rui?! - Disse Lucas, já com medo

- Terá acontecido algo? - Perguntou Rui já cheio de medo

- Fernando! - Gritaram os dois, em conjunto para as águas lá em baixo

Mas nada. Fernando não aparecia. Se ainda estava lá, devia estar quase sem ar.

- Vou saltar. - Disse Lucas, enquanto se preparava para saltar

- Nem penses, Lucas! Acho melhor chamarmos a policia e depressa! - Disse Rui - Ainda ficas lá também.

Aterrorizados ligaram para a polícia e inventaram uma história rápida. Disseram que Fernando os queria impressionar e escorregou.

- O que fizemos? - Disse Rui, entre dentes

- Fizemos porcaria. - Completou Lucas

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

 

18
Mar18

"Melhores Amigos"

João Jesus e Luís Jesus

pinky-swear-329329_1920.jpg

O livro fechou-se de repente.

Enervada e pronta para se pôr aos gritos, olhou imediatamente para o lado para ver quem lhe tinha interrompido a leitura.

Ficou paralisada, sem saber o que dizer.

- Tenho de falar contigo. - Disse-lhe Filipe

Filipe era o seu melhor amigo. Ou pelo menos era, até à semana anterior. 

- Não tenho nada para te dizer, Filipe. - Disse e levantou-se

Ele agarrou-lhe o braço.

- Hoje temos de falar, Tânia! Isto não pode continuar assim. - Disse-lhe muito sério

Resolveu ficar quieta. Tinham de ter aquela conversa.

- Então o que me queres dizer? - Perguntou-lhe

Ele suspirou. 

- Temos de acabar com esta zanga! Por favor, isto está a tornar-se rídiculo. - Disse-lhe

Riu-se.

- Ai agora dizes que isto está ridículo? Eu avisei-te! Querias ter um novo amigo e agora ele deu-te com os pés e claro, vens te queixar a mim! Eu avisei. - Disse-lhe furiosa

Ele calou-se e olhou para o chão.

- Eu sei que tens sempre razão. Fui estúpido. - Disse

Tentou não se rir. Adorava quando o amigo admitia os seus erros.

- Por isso, por favor! Vamos deixar estas tretas de lado e vamos voltar a ser o que éramos. Sinto falta das nossas brincadeiras e conversas. - Continuou

Pensou. Ela também sentia a falta do seu melhor amigo. Sentia falta das coscuvilhices do intervalo. Sentia falta das leituras em conjunto. Sentia falta de estar junto com ele.

- Ok. - Estendeu-lhe a mão - Vamos esquecer isso.

Ele olhou-lhe para a mão, sorriu e puxou-a, abraçando-a.

- Senti tanto a falta disto! - Disse

Sorriu e abraçaram-se ainda mais.

- Melhores amigos como antes. - Declarou

Sorriram e começaram a andar pelo corredor da escola.

- Que treta estás a ler?

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

17
Dez17

"Vem Ter Comigo"

João Jesus e Luís Jesus

pinky-swear-329329_1920.jpg

Agarrou no seu telemóvel, que estava no bolso do seu casaco.

Tinha os olhos molhados, tinha um grande vazio dentro de si. Precisava de se animar um pouco.

Entrou na aplicação das mensagens, percorreu a lista e encontrou o nome. Encontrou o nome daquela pessoa especial.

Carregou no nome e escreveu uma pequena mensagem. Pediu-lhe que viesse a sua casa o mais rápido possível. 

Esperou e poucos minutos o telemóvel vibrou. Agarrou imediatamente nele.

Oh não! Estava a ligar-lhe. Sem demoras, atendeu a chamada.

- Sim? Lúcia? - Perguntou a outra pessoa

- Olá. 

- Oh! - Suspirou - Pensei que estava algo errado. O que se passa?

Lúcia respirou fundo.

- Por favor vem cá a casa! Preciso de falar com alguém. - Choramingou

Ouviu-se um suspiro do outro lado da linha.

- Lúcia... Era suposto estarmos de relações cortadas! Supostamente nós estamos zangadas. - Disse ela

- Ok! Mas Beatriz, por favor, vem cá! Vamos esquecer essa estupidez! Vem cá! Preciso de falar! Vem ter comigo. Somos melhores amigas. - Disse ela, enquanto mais lágrimas rolavam pela cara abaixo

- Ok Lúcia. Estou aí em dez minutos. Não faças nada estúpido. - Disse Beatriz, cuidadosamente

- Obrigada. - Sorriu - Obrigada por seres minha amiga. 

- Somos melhores amigas não é? Devemos apoiar-nos uma à outra. - Disse Beatriz um pouco mais animada

Lúcia sorriu e esperou pela amiga, sentada na cama.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

01
Dez17

"Uma Flor"

João Jesus e Luís Jesus

bluebell-115283_1920.jpg

 - Mamã, mamã! Olha o que eu encontrei! - Ouviu ao longe

Correu para perto do filho. Queria ver a sua recente descoberta.

- O que se passa? - Perguntou com um sorriso

O filho sorria e a mãe teve de conter uma gargalhada, pois o filho tinha perdido um dente no dia anterior.

- Então? Vais-me mostrar ou não? - Perguntou curiosa

As suas mãos estavam em volta de alguma coisa.

- Cuidado! Ela é muito tímida! É a mais diferente de todas! - Avisou o filho

- Ok. Mostra lá.

Devagarinho, o filho tirou as mãos de volta da coisa. Era uma flor.

Uma flor pequenina, colorida e muito bonita. 

- Que adorável que ela é! - Suspirou a mãe

- Pois, mas ela não tem amigos! Ela é diferente destas todas! - Disse ele, apontando para o imenso vale cheio de flores amarelas

- Percebo. Pobrezinha! - Disse a mãe, entrando na brincadeira - O que sugeres?

O menino sorriu.

- Nós podiamos ser os amigos dela. As outras são parvas e não gostam dela. - Disse o menino

- Por vezes as coisas mais estranhas e invulgares são melhores que as outras todas, não sabes? - Perguntou

- Sim, eu sei. Mas ela precisa de amigos! Podemos ficar com ela? - Perguntou desesperado

A mãe sorriu.

- Claro. Mas tens de lhe prometer que um dia, ela vai viver com centenas de flores simpáticas e diferentes como ela. - Sussurrou-lhe a mãe

O filho deu um gritinho.

- Sim, sim! Eu prometo-te isso, florzinha! - Disse ele muito feliz

A mãe sorriu e com muito jeitinho, retirou a flor da terra.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

 

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL