Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

15
Nov17

"Second Chance" - Ana Ribeiro

João Jesus e Luís Jesus

ac2909f7c44886af9ab88fa1efe608c8.jpg

 Eramos os melhores amigos. Quase unha com carne. Não nos separávamos para nada, parecia que havia qualquer coisa entre nós, que ainda hoje não sei explicar muito bem o que era, que fazia com que tivéssemos que estar todos os dias em contacto. E quando não podíamos estar, trocávamos milhares de mensagens escritas. De certa maneira ele era o meu pequeno vício. Partilhávamos um com o outro um pouco de tudo, nada ficava por dizer, por contar, por partilhar, entre nós jamais havia segredos. Confiávamos plenamente um no outro. Ele era o meu porto seguro, o meu escudo e algumas vezes o meu pequeno muro das lamentações. Compreendíamo-nos muito bem, bastava um olhar, um sorriso, um toque, e tínhamos uma boa dose de paciência um com o outro.

Chegamos a partilhar as casas um do outro, a jantar à mesma mesa, os meus pais gostavam muito dele. Todas as noites tínhamos o ritual de fazer uma chamada um para o outro antes de irmos dormir, por nenhuma razão em especial até porque passávamos os dias inteiros juntos, apenas para uma troca saudável de algumas boas gargalhadas e para desejarmos “Boa noite”.
Havia quem dissesse que, nós eramos únicos, porque nós fazíamos coisas que mais ninguém tinha coragem de fazer. Dávamos valor aos pequenos gestos… como este.
Comecei a gostar dele, um gostar diferente do gostar de amigo do peito. Um gostar do fundo do coração. Porque a amizade também é amor. As coisas entre nós mudaram, e mudaram muito, estávamos apaixonados, e transformamo-nos em amigos coloridos. Um dia M. revelou um pedaço de si que eu não conhecia e que não esperava, disse-me que não podíamos continuar a ser amigos porque eramos de mundos completamente diferentes. Fiquei sem perceber a razão daquela mudança, passei dias a pensar sem chegar a uma conclusão, até ao dia em que ele acabou tudo com uma simples mensagem. Ao que parecia, tinha namorada e não queria perdê-la por minha causa, então era melhor pôr um ponto final em tudo o que tínhamos. Fiquei arrasada, jurei jamais o perdoar, senti-me enganada, usada e magoada, tinha confiado numa pessoa que não era mais do que uma mentira. Perdemos o contacto. Nunca mais falamos. Parece que é feliz ao lado da P.

No entanto, um dia mais tarde perdoei-o em prol dos bons velhos tempos. Tinha saudades dele. Ganhei coragem e marcamos um café.

 

Texto de Ana Ribeiro, escritora e blogger do blog "Escreviver"

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL