Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

08
Nov16

"Cavalo Negro- O Fim"

João Jesus e Luís Jesus
O McPhils deu uma gargalhada bem alto que me fez dar um pulo da cadeira.
– O que tem assim tanta graça? – Perguntei indignada
– Essa tua atitude. – Disse ele cruzando os dedos- Sabes que vais perder e ainda me tentas desafiar.Realmente! O velho tinha razão! Ninguém jogava tão bem como ele aqui na cidade. Ganhei coragem e lá acabei por dizer.
– Sabe, McPhils! A vida é cheia de coisas estranhas. Por vezes acontecem coisas boas e por vezes acontecem coisas más. Por isso se eu fosse você, tirava o cavalinho da chuva e não tinha tanta certeza que ia ganhar. – Disse
– Pois, mas ainda bem que tu não és eu, se não onde é que já ia a minha fortuna! – Suspirou ele – O torneio será amanhã. Tu contra mim. – Confirmou ele, finalizando com um grande sorriso
– Por mim tudo bem! Que vença o melhor. – Disse, levantando-me da cadeira
– Ou seja, eu! – Declarou ele enquanto eu abria a porta
– Parolo! – Sussurrei quando sai do gabinete.Enquanto me preparo para sair do casino, vejo o homem a quem dei o murro, a colocar um saco de gelo no seu queixo terrivelmente roxo. Ele olha para mim de esguelha e esbocei um sorriso de triunfo. Ele tentou levantar-se, mas os amigos lá o agarraram.
Saio do casino e fico arrepiada. Está mesmo frio! Procuro o cavalo que trouxera para vir falar com McPhils e encontro-o.Subo para cima dele e ele galopa até minha casa.
A minha avó está a arrumar as galinhas. Ela vê-me e levanta a mão. Levo o cavalo para o estábulo e dou-lhe um bocado de feno enquanto o escovo.
Passado um tempo, vou ao prado e consigo levar todos os cavalos para o estábulo. O Sammy está supercontente pois conheceu novos amigos. Resolvo deixá-lo nos estábulos, pois ele agora tem uma família.
Entro para dentro de casa no momento em que começa a trovejar. De repente ouve-se um grande trovão.
– Valha-me Deus e a Nossa Senhora! – Disse a minha avóTiro o casaco e as botas e vou ter à sala de estar, onde a minha avó está a desligar a televisão por causa da trovoada.
– Então filha? Correu tudo bem? – Pergunta-me ela, nunca tirando os olhos da extensão que ela está a tentar desligar
– Mais ou menos! Para ter o Sammy de volta eu vou ter de… – Digo
– Porcaria destas novas tecnologias! Faz-me um favor e desliga isto! – Diz-me a avó
Eu desligo a tomada e a minha avó suspira.
– Vais ter de fazer o quê para teres o Sammy de volta? – Continua a avó
– Bem! Eu vou.. Eu vou… – Gaguejo
– Desembucha Lucy!
– Eu vou ter de jogar uma partida de póquer com o McPhils, amanhã! – Sussurro
– O quê? – Grita a avó
– Isso mesmo!
– Sabes que vais perder querida! Ele é muito esperto e tu odeias jogos de apostas. – Informa a avó
– Eu sei! Mas eu tenho de conseguir! – Digo
– E vais conseguir! Só temos de arranjar uma maneira. – Declara a avó agarrando a minha cara
O meu pai, mãe e irmão chegam a casa. Eles estão todos encharcados.
– Que dia mais horroroso! – Diz a minha mãe – Olá Lucy!
– Olá pais! O jantar está pronto.Jantamos e conto tudo ao meu pai que mastiga vagarosamente, pensando a cada palavra dita. De repente ele lembra-se.
– O teu tio Will, já venceu o McPhils no torneio nacional. Ele é um ótimo jogador. – Diz o meu pai
– Pois, mas numa noite não consigo ser a melhor jogadora de póquer! – Grito
– E quem disse que tinhas de aprender? Eu tenho um auscultador que está ligado ao telemóvel e podes falar com o teu tio e jogar ao mesmo tempo! – Avisa a minha mãe
– Sim! É um ótima estratégia! – Digo sorrindo – Vou dormir! Tratamos de tudo amanhã.
Subo para o quarto e deito-me na cama. Depressa adormeço.
Acordo com o meu irmão a pôr-me uma meia malcheirosa no nariz. Levanto-me e dou-lhe com a almofada na cara.
– Palerma! – Digo por entre risadas
Visto-me e desço à cozinha. A minha mãe já falou com o tio e este concordou com o plano. Tomo o pequeno-almoço e o meu pai conta-me tudo o que tenho de fazer. Agir naturalmente e nunca repetir o que o McPhils diz, pois pode dar errado e ele perceber que alguém está a ajudar-me.
Saio de casa e busco o Sammy que ainda dorme em cima do feno.
– Anda lá, grandalhão! Hoje vais ser meu para sempre. – Sussurro
Ele levanta-se e dou-lhe uma maçã. Monto-lhe a sela e monto-o. Ele corre para a cidade e depressa chegamos ao casino, ainda vazio.
Entro no casino e vejo o McPhils sentado na mesa de póquer.
– Bom dia querida menina! Pronta para perder? – Diz-me ele bebericando whisky
– Bom dia! Para perder uma aposta estúpida e ficar com o cavalo que me pertence? Perfeitamente! – Digo ironicamente
Ele ri-se baixinho.
– Vamos começar! Aqui a Pam vai distribuir as cartas e as fichas. Que vença o melhor. – Diz ele
– Concordo. – Digo – Mas antes, preciso de ir à casa de banho!
Levanto-me e caminho para a casa de banho. Ligo o telemóvel e começo a falar com o meu tio que já está pronto.
Volto para a sala de póquer e começamos a jogar.
Sussurro baixinho as cartas que me calharam e o meu tio diz que é um baralho muito bom. Ele avisa-me que tenho de apostar um certo número de fichas. Eu aposto as que ele me diz. O McPhils aposta ainda mais e consegue ganhar as minhas.
Já começa a correr mal! O McPhils joga muito bem! O meu tio diz-me que ele é bom no princípio, mas depois se tivermos muita concentração conseguimos vencê-lo.
Depois de mais de meia dúzia de apostas e cartas, começo a voltar a conquistar o jogo. O McPhils fica pior que estragado, pois estou a ganhar um bom bocado da sua fortuna e o meu cavalo.
Está na altura da última aposta. O McPhils aposta o resto do seu dinheiro e eu aposto um pouco. No fim, consigo ganhar e o McPhils dá um grito de raiva.
– Obrigada! – Digo agarrando no dinheiro que me pertence – E obrigada pelo cavalo!O McPhils dá um murro na mesa. Eu saio do casino e corro para o meu cavalo.
– Adoro-te Sammy! Agora somos tu e eu! – Finalizo. 
Cavalo
  

2 comentários

Comentar post

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL