Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

15
Fev17

"A Tua Casa é o Meu Coração" - Ana Ribeiro

João Jesus e Luís Jesus

Escondo por detrás destas linhas o que sinto, os fragmentos em que o meu coração se encontra por saber e sentir que já não te tem mais aqui. Escrevo e desabafo o que penso, como se pudesse fazer de cada folha de papel, um belo pedaço da tua pele, tendo a oportunidade de deixar a minha marca em ti para sempre; uma vez que não tive oportunidade de fazê-lo enquanto fizeste parte da minha vida.
As lágrimas que deslizam pelo meu rosto borratando a maquilhagem, desvanecem as palavras, baralham a tinta da caneta como o desaparecer mecânico de uma onda, fazem de cada memória tua uma névoa que não queria que se desvanecesse a troco de nada, mas sei que preciso disso para seguir em frente e continuar com a minha vida. Neste momento, há todo um desamor que me envolve e consome.
Preciso de lavar a alma e foi nestas folhas que encontrei a melhor de o fazer, dizer-te o que não te disse da última vez que estivemos olhos nos olhos, cara a cara e corpo a corpo. Sinto necessidade de registar o que ficou por dizer, o que gostaria de ter-te dito e não disse porque o sofrimento em que o meu coração se encontrava fez por roubar-me cada palavra. Preciso de aliviar o peso que sinto, apesar de ter plena consciência que esse peso vai continuar eternamente aqui apenas e só pelo facto de estares ausente da minha vida.
Preciso de tentar escrever em palavras a falta que me fazes todos os dias e a todas as horas; quem sabe, talvez consiga colmatar essa ausência à medida que as linhas vão ficando preenchidas e a alma e o meu coração vão ficando vazios. Não gosto de sentir que deixei de ter coisas para dizer e para partilhar; mas, no fundo, é isso que uma separação origina: lacunas.
Lacunas de amor. Lacunas nos gestos. Lacunas de sorrisos. Lacunas só e tão só de, de repente nos sentirmos sozinhas num mundo infinitamente preenchido de pessoas. Tu eras essa peça fundamental em mim, aquilo que me mantinha à superfície. O melhor dos meus dias, das minhas manhãs, dos meus finais de dia. O ontem, o hoje, o agora. O para sempre.
Ainda escrevi tão pouco e parece que percorri quilómetros nesta resma de papel tão curta, há um sufoco dentro de mim que tem medo que as linhas não cheguem para o muito que gostaria de dizer, de eternizar de ti. Há uma parte de mim que quer esquecer-te e outra parte que sabe que esquecer-te é uma missão impossível. Não se esquece quem nos toca, quem nos marca, quem nos ama intensamente, quem dá de si pelo melhor de nós, por muito que a alma sofra em silêncio e em desassossego, o coração vai continuar a bater por ti e pelo melhor de ti.
Imagino: se estas folhas de papel falassem… Se a tua pele falasse, o que diria? Como se sentiria?
Também sentiria falta, daquilo que lhe faz falta? Eu sinto falta. Falta de ti que és quem mais falta me faz, mais ainda que o oxigénio que me mantém presa à vida.
Não sei. Não sei se serei capaz de manter-te vivo na minha vida, mesmo que não estejas mais aqui, mesmo que deixemos de cruzar-nos, mesmo que só sobrem memórias, recordações, encontros e desencontros, e pormenores que agora não têm a mesma importância. Talvez te mantenhas vivo apenas nestas páginas, porque sim. Porque faz sentido e assim só te recordo quando quiser.
Se preciso de ti? Sempre. Mas agora, esse sempre já não existe. O sempre são agora fragmentos de tempo em que fomos felizes e eternos e espaços em branco, como os parágrafos que faço nestas linhas.
Nem sempre os finais felizes acontecem quando queremos. 
Se um dia quiseres voltar e recomeçar de novo, esperarei por ti. Estarei aqui e arranjarei um espaço nas entrelinhas destes desabafos para voltar a manter-te vivo em mim e na minha vida. Para ressuscitar-te de novo.Na verdade, a tua casa será sempre o meu coração.

Ana Ribeiro, escritora e blogger do blog "Escreviver"

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL