Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

30
Ago17

"Na Sombra de Ti" - Ana Ribeiro

João Jesus e Luís Jesus

0805a1068fde42527a49ca862cb848a2.jpg

 Encosto-me à janela grande da sala, vestida ainda com a camisa de dormir, descalça, com os caracóis rebeldes, a marca das lágrimas no rosto e uma caneca de chá quente ainda a fumegar. Todos os dias penso em ti e tento-te encontrar naquela vasta janela da sala: o nosso refúgio. A nossa janela aberta para o mundo. A janela onde tantas e tantas vezes me abraçaste a ver o amanhecer tardio. A janela que por inúmeras vezes espelhou o nosso amor, aquele teu beijo repenicado que me fazia acordar bem-disposta todos os dias. Aquele teu olhar encantador que nunca me deixava indiferente. Aquele toque inconfundível.

 
É incrível como uma simples janela pode guardar tantas memórias. Lembra-me aqueles fins-de-tarde em que vinhas ao meu encontro de garrafa de vinho na mão, e ali ficávamos: a amar-nos em silêncio por entre sorrisos longos e golos de vinho. Víamos assim o Sol a desaparecer – mais um dia – das nossas vidas. Eram dias infinitos de felicidade perfeita. Até ao dia em que tudo mudou…
 
Como a nuvem mais negra do infinito céu, o teu amor por mim resfriou. Sentias que já não me amavas da mesma maneira, a chama tinha-se apagado e tinha perdido sentido. Por isso, quando menos esperei comecei a sentir-te a afastares-te. Decidiste sair da minha vida da mesma forma como tinhas entrado nela, de forma simples e discreta, despreocupada e desapercebida. A ampla janela que reflectia o sentido da nossa vida, agora mostrava uma imagem diferente, os vidros parecia que se tinham estilhaçado para mostrarem o estado da nossa emoção. A forma como o nosso coração estava partido. A saudade em forma de nada. O vazio para lá daqueles pedaços.
 
Quando fiquei sozinha olhos nos olhos com aquela janela que tantas e tantas vezes me tinha mostrado o melhor de ti, percebi que tinha perdido o rumo e que tinha que ter força e coragem para tentar encontrar um novo rumo para a minha existência. Corri atrás de ti e pedi-te que não me deixasses. Que não renegasses ao nosso amor e ao que nos unia e não me virasses as costas. Não queria, mas fi-lo: abri-te o meu coração, como nunca o tinha feito.
 
Não sabia viver sozinha sem ti e sem o amor que me davas. Precisava de ti para continuar a viver e a respirar. Precisava de ti todos os dias na minha vida porque só assim fazia sentido, de outra forma não valia a pena. Não podias deixar – de um momento para o outro – o que sentias por mim escondido nas sombras de ti mesmo como se não fosse importante para ti. Como se não fizesse diferença e sentido. Eu sei que não eu não te era indiferente; apesar de ter constatado a pior das realidades: tinhas outra pessoa na tua vida. 
 
– Preciso de um tempo, Marta! 
 
Uma espera que eu sabia que seria o mote para não quereres regressar.
 
– Houve muita coisa que mudou e eu preciso de pensar. Sinto-me confuso…
 
Senti-te distante e frio; mas ao mesmo tempo também senti que não sabias que caminho seguir. Apetecia-me correr para ti, abraçar-te e roubar-te aquele beijo que te poderia fazer mudar de ideias e trazer de volta o nosso amor.
 
– Desculpa por tudo! – Disse-me ele, passando a mão pelo meu rosto, naquela que seria uma despedida já anunciada. – Cuida de Ti! E nunca te esqueças do quanto irei gostar sempre de ti.
 
Desde este dia passaram seis meses. Decidi mudar de vida e tentar reencontrar o amor; apesar de continuares a ser uma viva memória sempre presente. Por vezes dou por mim a pensar na falta que ainda me fazes, no cheiro do teu perfume que teima em não ir-se embora. 
 
De repente, a lua cheia intensifica-se desde aquela emblemática janela. A sombra da sua luz desenha os contornos de uma figura masculina na penumbra. Não percebo de imediato quem é; mas o meu coração acelera-se e sem contar a campainha toca e os nossos olhares voltam a cruzar-se.
 
Texto de Ana Ribeiro, escritora e blogger do blog "Escreviver"

1 comentário

Comentar post

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL