Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

20
Set17

"Meu Amor de Longe" - Ana Ribeiro

João Jesus e Luís Jesus

3531fbe1ca66dc7c4d8590ab16929712.jpg

 Desde muito cedo que dizia que, jamais, amaria à distância. O Amor é – essencialmente – presença constante entre duas vidas e não resulta à distância. Pensava eu… Mas a forma como eu olhava para o amor ia mudar drasticamente durante o programa Erasmus na faculdade.

 
Eu e as minhas melhores amigas tínhamos sido destacadas para a cidade de Lyon, em França, para participarmos numa campanha de voluntariado. Estávamos todas entusiasmadas, principalmente porque a Jennifer andava a tentar convencer-nos a fazermos uma escapadela a Paris a meio da semana. Sim, era uma tremenda loucura. Como é que iríamos fazê-lo sem darem pela nossa falta? Que desculpa iríamos dar? Confesso, estava aterrorizada; mas ao mesmo tempo não queria pensar muito no assunto – pelo menos para já -, queria aproveitar tudo ao máximo e divertir-me quando chegássemos a França logo veríamos.

 

Tiramos os passaportes, fizemos as malas e no dia marcado, apanhamos um táxi e rumamos ao aeroporto. Nenhuma de nós tinha pregado olho. Fomos a viagem toda a conversar, o que fez com que nem déssemos pelo tempo passar, quando trocávamos a última ideia estapafúrdia, o comandante avisou que íamos aterrar. Que excitação. Apanhamos um táxi e rumamos ao hotel, onde um representante da associação para a qual íamos trabalhar já nos esperava. Depois de pousarmos as bagagens no quarto e de descansarmos uns minutos, entramos numa carrinha e fomos à associação, para conhecermos a equipa onde iríamos trabalhar. 
 
Foi nessa equipa que conheci o Oliver: um voluntário francês, que já trabalhava na associação há cerca de dois anos, era responsável pelos jovens que vinham de fora realizar voluntariado: jovens como nós. Simpatizei de imediato com ele porque se mostrou deveras simpático e disponível e à medida que os dias foram passando criamos uma ligação especial. Por coincidência, era ele que estava acompanhar-nos; por isso, passávamos horas a conversar. Falou-me do seu forte desejo de ser voluntário e de ajudar os outros e de como tinha descoberto a associação. Eu também lhe contei sobre a minha enorme paixão pela aventura e adrenalina. Foi uma das melhores semanas da minha vida, eu e o Oliver já não nos separávamos para nada e quando nos apercebemos estávamos apaixonados um pelo outro.
 
Sabíamos que não nos devíamos apaixonar porque iríamos ter que nos separar e não sabíamos quando nos voltaríamos a ver, mas a vontade dos nossos corações falou mais alto. A felicidade constante passou a ser a minha melhor amiga, até que a vida nos ofereceu de presente a hora da despedida. O nosso estágio tinha chegado ao fim e eu vivia num alvoroço, tinha a cabeça num corropio ambulante; se por um lado tinha saudades de casa, por outro lado não queria deixar o meu amor para trás: o Oliver. Chorei sozinha de véspera e passei com o Oliver a última noite juntos.
 
O dia seguinte, amanheceu chuvoso. O Oliver quis acompanhar-nos sozinho ao aeroporto, durante o percurso na carrinha não conseguia tirar os olhos do espelho retrovisor queria estar constantemente em conexão com ele. Foi a despedida mais dura de sempre, achei que o nosso amor nem sequer ia durar porque vivíamos longe. Nos primeiros tempos senti imensa falta dele e dos laços que nos uniam, não sabia viver sem ele e ponderei mudar radicalmente de vida, emigrar para Lyon para estar junto dele. Percebi através da dor da distância, a força de um grande amor.

 

Por entre saudades, vazios, desencontros e escolhas incertas; o melhor do amor: a surpresa do Oliver. Quando menos esperei estava à minha espera na faculdade, não queria acreditar que tinha aproveitado as férias para vir a Portugal ver-me. Senti que era possível renovar um amor vivido a quilómetros de distância.
 
Na última noite do Oliver ao meu lado, fomos surpreendidos com uma inusitada canção, um fado da portuguesa “Raquel Tavares” intitulado: “Meu Amor de Longe”. Entrelacei os dedos nos dele e abracei-o.
 
Ele iria ser sempre o meu verdadeiro Amor de Longe.
 
 
Texto de Ana Ribeiro, escritora e blogger do blog "Escreviver"

1 comentário

Comentar post

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL