Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

26
Fev18

"Fama" - Capítulo XVIII

João Jesus e Luís Jesus

Engulo em seco e olho para a cara de cobra da mãe do Liam.

- Agora tenho-te na minha mão, Chelsea. - Diz ela, com um ar de "eu sou a chefe disto tudo" - Chantagem. É assim que se tem o que se quer aqui.

Olho-a nos olhos e uma raiva enorme cresce dentro de mim.

- Atreva-se a publicar a foto que eu faço-lhe algo pior. - Ameaço

Ela ri-se.

- Tu? O que tu farias contra mim? Não tinhas hipóteses! Quando tentasses já estavas morta. - Diz-me ela

Ela tem razão. Não tenho nada contra ela e nem consigo deitá-la abaixo. 

Ela sorri maliciosamente mais uma vez.

- Agora vais fazer tudo o que quero. - Diz-me ela - Tudo. Sem questionar. 

Quero tanto dar-lhe um grande murro na cara. Detesto-a, detesto-a, detesto-a. 

- Digamos que faço o que você quer, promete não divulgar foto nenhuma? - Pergunto

Ela faz um ar de vencedora. Cheguei onde ela queria.

- Mas é claro. Eu cumpro sempre as minhas promessas. - Diz ela, estendendo-me a mão

- Não vou apertar mão nenhuma. - Digo-lhe - Eu vou tentar fazer o que você quer. Só não divulgue a foto. 

Ela sorri e o Liam regressa à sala.

- Então? Já está a ficar tarde, acho que devia levar a Chelsea de volta a casa. - Diz ele

- Oh mas é claro. Já é tardíssimo. - Diz a mãe dele, simpaticamente - Até amanhã, Chelsea! Adorei voltar a vê-la.

Ela beija-me as bochechas. Que nojo! Finjo apenas um sorriso.

- Até amanhã. - Digo

Saimos da mansão e entro no carro. Foi uma noite horrível! Tenho uma vontade enorme de esganar a cobra da mãe do Liam! 

- Então, estás com sono? - Pergunta ele, enquanto conduz

- Não. - Digo

Ele olha para mim. 

- Então, correu bem a conversa com a minha mãe?

Reviro os olhos. 

- Lindamente.

- E de que falaram? Posso saber? - Pergunta ele curiosamente

- Desfiles e essas coisas. - Minto

- Claro! Eu até pensei que vocês estavam a fazer algum pacto maligno, para demorarem tanto tempo. - Ri-se ele

- Foi mesmo o que fizemos. - Digo

Ele ri-se, achando que é brincadeira. 

Chegamos a casa.

- Bem até amanhã. - Diz ele, beijando-me

- Xau. - Digo, saindo do carro

Ele afasta-se e eu aproximo-me da porta de entrada à procura das minhas chaves. 

- Pssst. - Oiço

Olho para trás. Não vejo ninguém.

- Psssssssst. - Oiço novamente

Sigo o som. Está nos  arbustos do pequeno jardim.

Com medo que seja uma cobra, agarro no pequeno guarda chuva que tenho na minha mala. 

Aproximo-me do arbusto de onde veio o som. Levanto o guarda chuva, pronta para atacar o bicho.

- Hey, hey! Calma! - De repente, alguém se levanta por detrás do arbusto

Grito, mas vejo que é o Jordan.

- Jordan! Raios, quase me assustaste! - Protesto

Ele não sorri nem nada. 

- Só preciso de ajuda! Anda alguém atrás de mim. Não posso voltar para casa. - Diz-me ele com os olhos arregalados

Suspiro. Não queria nada levá-lo para minha casa, a Dianne ia ficar passada.

- Não podes ir para um hotel nem nada? - Pergunto

Ele abana a cabeça.

- Andam a perseguir-me de mota. Deve ser algum inimigo do meu pai ou assim. - Diz ele

Olho em volta. A rua está vazia, não se vê ninguém.

- Só esta noite, mais nada. - Digo - E dormes no sofá.

Ele suspira e levanta-se devagar. Abro a porta do prédio.

Ele entra de imediato e eu ligo a luz para ver o elevador.

- Obrigado Chelsea. - Diz-me ele

O elevador chega e eu entro. Ele entra logo de seguida. Carrego no botão.

O elevador começa a subir. Ele olha para mim. Eu olho para outro lado, estou envergonhada.

- Bem, desculpa lá daquilo de manha. - Diz ele, coçando o cabelo

Olho para ele, um pouco surpreendida. 

- Ah, pois! Não faz mal, aconteceu. - Digo, rapidamente

Ele olha para mim com um ar estranho. O elevador abre-se e ele sai primeiro.

Sem querer deixo cair a mala e apanho-a logo de seguida. Preparo-me para sair, mas as portas do elevador fecham-se e a mala fica presa.

- Raios! - Puxo a mala

As portas não se abrem. Continuo a puxar, mas a mala não sai.

- Eu faço isso. - Diz ele

Ele aproxima-se da porta e com as mãos, ele faz força para abrir a porta. Vejo que ele está a cerrar os dentes com a força que faz e os músculos dos braços parecem que vão explodir.

- Ah! - Diz ele, quando consegue abrir as portas e tira a mala - Toma lá.

- Obrigada. - Digo com um sorriso e agarro na mala

Ele toca-me com a mão na minha. Não consigo tirar a mão, parece que fico presa.

Olho-o nos olhos. Ele continua com a mão na minha. 

De repente, beijo-o. Ele beija-me logo de seguida e de repente, quando dou por mim, estamos agarrados junto à porta do meu apartamente.

Abro-o rapidamente e entro para casa. A Dianne deve estar a dormir, pois as luzes da casa estão apagadas.

Continuamos a beijar-nos e sentamo-nos no sofá. Acho que vai ser uma noite longa.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL