Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

11
Set17

"Doentes" - Capítulo XI

João Jesus e Luís Jesus

7b4453409f916b34832bfabdbe9792ea.jpg

 - É melhor termos cuidado... Esta floresta parece mesmo muito perigosa. - Avisa o Russel

Concordo com ele. Esta floresta parece perigosa e sombria só por fora, imagina lá dentro! Nem quero pensar no que se pode estar a esconder por detrás daqueles arbustos.

- É melhor irmos andando! Quanto mais depressa sairmos daqui é melhor para todos. - Diz a Heather

- Pela primeira vez, acho que concordo contigo, franganota! - Diz a Rhonda olhando para todos os galhos de todos os pinheiros

Começamos a andar e eu agarro firmemente a minha arma. O Sam decide ir na frente.

Chegamos a uma parte da floresta, em que esta se divide em muitos caminhos.

- Raios! Agora para onde vamos? - Pergunto

O Sam começa a olhar em volta muitas vezes.

- Pelo que dizia no diário do velho, muitos eram aqueles que queriam a cura, por isso deve ser o caminho com mais pegadas ou o mais gasto. - Deduz o Sam

- Ele tem razão. - Concorda o Russel

Escolhemos o caminho que nos parece o mais usado, ainda com algumas pegadas. A floresta fica cada vez mais sombria e cerrada à medida que nos aproximamos do centro desta.

- É melhor ligarmos as lanternas. - Diz a Heather, ligando a sua lanterna

Ligo a minha. É verdade que já não se vê um palmo à frente do nariz.

- Esperem. - Diz a Rhonda, muito baixinho e de repente - Desliguem as lanternas.

- Mas está escur... 

- Cala-te e faz o que digo. - Diz ela furiosa

Desligamos as lanternas, um pouco desconfiados.

Consigo ver apenas o olho cintilante da Rhonda a dar muitas voltas. 

- O que se passa Rhonda? - Pergunta o Russel

Ela suspira.

- Isto está muito silencioso para uma zona onde deveria estar a maioria dos animais. - Diz ela desconfiada - Apenas não liguem as lanternas.

- Achas que estão aqui Infetados? - Sussurra a Heather

- Tenho a certeza que eles estão por aí. Já se devem ter apercebido de nós. - Informa ela

- Mas nós não fizemos barulho algum, como é que eles nos deteteram? - Pergunta o Sam

- Eles são excelentes caçadores, detetam sons e calor humano ou artificial a muitos quilómetros de distância. Por isso, tentem não fazer mais barulho e nem liguem as lanternas, pois eles detetam-nos. - Resmunga ela

- Ok Rhonda, mas como vamos descobrir o sítio da cura sem vermos nada? - Pergunto furioso

- Apenas tenta andar.

Começamos a dar passos às cegas. Por vezes, toco na Heather ou no Russel com as mãos.

- Credo Heather, estás gelada! - Diz o Sam - Para de me agarrar!

- Sam? - Pergunta a Heather

- Que foi?

- Eu não estou a tocar em ninguém. - Diz a Heather assustada

Oiço o Sam parar.

- Rhonda, liga a lanterna. - Ordeno

Oiço-a procurar a lanterna e muito devagar, ela liga a lanterna.

Um ser branco como a neve, com dentes afiados e quase transparentes está agarrado ao braço do Sam, preparado para o morder.

O Sam empurra-o, mas um monte de Infetados começam a rodear-nos.

Saco a minha arma, que é igual às armas de todos, um lança-chamas e queimo o que se chega perto de mim.

- Ahhh! - Grita o Sam

O Infetado deitou-o ao chão e está prestes a saltar por cima dele.

A Heather está próxima do Sam e tenta queimar o Infetado, mas a sua arma não está a funcionar.

Corro para o Sam, o Infetado está quase a saltar.

- Não Dylan! - Grita o Sam quando se apercebe de mim

O Infetado salta e eu salto também, mas recebo um pontapé do Sam na barriga que me transporta para trás. 

- Urhgaah! - O Infetado rosna quando já está em cima do Sam

- Sam! - Grito desesperado

O Infetado crava os dentes e as unhas afiadas no seu peito e começa a devorá-lo. O Sam grita e esbraçeja, mas não consegue atirar o Infetado.

Corro para ele e queimo o Infetado, este cai morto ao lado de Sam.

- Não, não, não! - Choro, ajoelhando-me perto do Sam

A Heather, o Russel e a Rhonda conseguem acabar com os outros e chegam perto do Sam.

- Sam, não feches os olhos! Não te atrevas a fazer-me isso. - Grito-lhe

O Sam abre e fecha os olhos cada vez mais devagar. De repente, ele faz um sorriso.

- Oh Dylan sempre foste uma porcaria em despedidas. - Sussurra ele

Olho para ele e dou uma pequena risada.

- A Heather vai cuidar de ti, não te vai acontecer nada, não é Heather? - Olho para ela com esperança

A Heather olha para mim com aquele olhar. É impossível salvá-lo. Eu sei disso, mas não consigo admiti-lo.

Olho para a ferida do Sam. Vêm-se as costelas, está horrível!

- Mesmo que me possa salvar, eu peço-lhe que não o faça. - Sussurra o Sam - Chegou a minha hora e não quero impedi-la. 

Deixo cair uma lágrima. Estou sozinho.

A respiração do Sam fica cada vez mais agitada.

- Dylan? - Diz ele com os olhos fechados

- Sim? - Fungo

- Salva a Maggie... por mim. - Diz ele - E por favor, vai para a cama com a Heather, que eu já não aguento mais!

Ele dá uma pequena gargalhada, mas começa a tossir. A Heather está perplexa.

- E queima-me o corpo, quando eu morrer. - Diz ele, por fim

A respiração dele começa a ficar muito lenta.

- Sam? - Pergunto

Ele não responde. A sua respiração parou. Ele está morto.

- Não podemos queimar aqui o corpo. Estamos no meio da floresta. - Diz a Rhonda

- E nem vamos fazer isso. - Digo - Vamos enterrá-lo, como um guerreiro. Ao menos morre debaixo de terra e não queimado. Ele iria gostar de ser enterrado onde morreu.

Levanto-me e a Heather abraça-me. 

- Ele era uma boa pessoa. - Diz a Heather ao meu ouvido - Nem a cura o conseguiria salvar se ele voltasse. Os ferimentos dele eram muito graves e se depois o curássemos, ele morreria de seguida.

Eu sei. E vou conseguir a cura para fazer um dos seus últimos pedidos: eu vou curar a Maggie, custe o que custar.

 

 

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL