Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

24
Jul17

"Doentes" - Capítulo IV

João Jesus e Luís Jesus
Doentes

Levanto-me imediatamente mal o despertador toca. Está na hora! Hoje começa uma grande aventura!
O Sam está enfiado debaixo dos cobertores. Tenho pena dele! O dia de ontem foi horrível depois daquilo tudo! Vou me sentir tão mal por o deixar aqui sozinho...
Visto-me e agarro na mochila já pronta. Olho de novo para o Sam. 
- Vejo-te brevemente parceiro. - Sussurro dando-lhe uma pequena pancada nas costas
Faço um sorriso. Não queria deixar o Sam e o meu lar.
Abano a cabeça e saio do quarto. Desço para a cozinha e agarro numa maçã vermelha e saio porta fora. 
O carro da Heather já está cá fora. Reparo que ela se encontra lá dentro. 
- Bom-dia seu arrastão! - Diz-me ela animada
- Nem demorei muito? - Explico entrando no carro
- O combinado era estar aqui às... seis da manhã em ponto! E agora são seis e meia. - Provoca ela
Rio-me e ela liga o carro.
- O plano é ir dez quilómetros de carro e a partir daí, temos de ir a pé. - Diz ela começando a conduzir
- Ok, eu sinto-me inútil por não ser eu a conduzir! Porque é que tens de ser tu a guiar o carro? - Pergunto-lhe
- Hum... se calhar o carro é meu! - Ironiza ela - E admite, as mulheres conduzem melhor.
Rio-me outra vez.
De repente, ela começa a acelerar e quando olho para trás, vejo a minha casa pequenina ao longe. Vou ter saudades!
Abro a janela e sinto o vento fresco da madrugada. Sabe tão bem! Cheira a selva, a terra molhada e ouvem-se os pássaros. É a melhor coisa do mundo!
- Então Dylan, vives com a tua irmã? - Pergunta ela
Começo a sentir-me nervoso.
- Sim. E com o meu melhor amigo e ainda com a Rose...
- Ah, aquela Rose. Coitada! - Suspira ela - E os teus pais? Onde vivem?
- Hum, eles já morreram... infetados. - Declaro com vergonha
Ela arregala os olhos e fica branca como o cal.
- Desculpa. - Diz ela
Fico calado.
- E tu? Vives com alguém? - Tento dar a volta à situação
- Eu?! Vivo sozinha na cidade, quer dizer, tenho o meu gato, o senhor Panquecas! - Diz ela surpresa
- Senhor Panquecas? - Começo a rir-me - A sério?
- Que é? - Diz ela ofendida - Já tenho saudades dele! Deixei-o com a minha mãe. 
- Ok, ok! - Continuo a rir - E namorado?
Ela faz um sorriso de vergonha.
- Estou bem assim. Antes sozinha do que mal acompanhada. - Revela ela
- É bem verdade. - Concordo - Então porque é que me estás a ajudar nesta busca?
- Já te disse! Se encontrarmos a cura, eu curo os meus doentes, assim como a tua irmã, ela é uma menina incrível! - Repete ela
- Então, obrigado! - Agradeço
Ficamos calados por um tempo. Estamos a sair da zona selvagem e já se começa a avistar uma zona mais rochosa.
De repente, sinto o carro abrandar.
- Hey, porque é que estás a abrandar? - Pergunto-lhe olhando em frente
O carro pára completamente.
- Hey, fazem o favor de saírem da frente? Que eu saiba, isto é uma estrada e não nenhum café! - Grita a Heather pela janela
Mesmo à nossa frente, encontram-se quatro homens barbudos com aspeto de contrabandistas. 
- Eu sei que vocês são palermas, mas não sabia que eram surdos! - Grita ela outra vez
De repente, eles começam a correr para nós e abrem as portas do carro.
- Larguem-me! - Grita a Heather
Eles arrastam-na para fora do carro. 
Um homem gordo, com barba negra e com um forte cheiro a tabaco, agarra-me no braço.
Dou-lhe um murro no nariz, que começa a sangrar. 
- Deixem-nos em paz! - Grito-lhe
Ele agarra-me na camisola e atira-me para fora do carro.
O resto do bando enfia-se nos bancos de trás e ligam o carro.
- Seus estúpidos! - Grita a Heather tentando correr atrás do carro, que começa a andar
Eles arrancam a toda a velocidade e a Heather desiste.
- Palermas! - Grita ela dando um pontapé numa pedra
- Raios! - Queixo-me
As minhas costas ainda estavam negras do assalto, mas agora estavam ainda pior.. Tinha caído mesmo por cima de uma pedra.
- E agora o que fazemos? Tinha algumas provisões no carro! - Choraminga a Heather
Ela repara em mim e corre para mim.
- Que se passou? - Pergunta ela preocupada
- Costas! - Gemo
Ela vira-me e levanta a camisola. Ela emite um pequeno gritinho.
- Tens sorte de não teres partido as costelas! Se eu tivesse o meu carro, colocava uma pomada nisso, mas como não tenho... - Diz ela colocando as mãos nas minhas costas
Grito de dor. Ela acabou de me estalar as costas.
- Ai! - Gemo
- Que é? Vais ver como te vai aliviar. - Desculpa-se ela
Realmente, uma sensação de liberdade espalha-se pelas minhas costas. Levanto-me devagar.
- Quantos quilómetros fizemos? - Pergunto curioso
- Três e meio. - Diz ela - Temos muito que andar Dylan!
Suspiro e agarro na minha mochila.

Calor

8 comentários

Comentar post

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL