Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

03
Jul17

"Doentes" - Capítulo I

João Jesus e Luís Jesus
Doentes

- Raios me partam! - Grito com uma intensa dor nas costas
Levanto-me depressa, mas a dor lacinante faz-me querer voltar a estar quieto. Mas não posso... Pelo menos por agora que eles deram conta que estou aqui...
- Ele foi por ali! - Oiço uma voz
Eles estão perto! Recomeço a correr para longe, dando sempre uma ou duas olhadelas para trás.
- Raios, Sam! Onde estás? - Resmungo
O Sam já devia estar aqui. Tínhamos combinado que quando fosse meio-dia e meio, ele tinha de estar com o jipe no ponto de encontro, para conseguirmos fugir. Já é meio-dia e quarenta! 
Resolvo parar perto do local de encontro, acho que já pararam de me perseguir. Estou cansado e a dor parece cada vez maior.
Abro a mochila e olho para o material roubado.
- Quem me dera não ter tocado na maldita tiara! - Suspiro - Bem, tenho aqui uma boa pequena fortuna...
Desbloqueio o telemóvel descartável e volto a contactar o Sam. Ele não atende.
- Fogo! - Digo - Onde estás?
Ando mais um pouco e paro na estrada perto da praia, o local de encontro. Olho em volta, mas nem sinal do jipe. 
- Quieto. - Diz uma voz ameaçadora
Levanto as mãos e viro-me devagar para onde ouvi a voz. Apanharam-me!
- Pouse a mochila com calma e a arma no chão! - Ordena um polícia já com um ar um pouco acabado - Depressa!
Obedeço e com calma, pouso a arma e a mochila. 
- Obrigadinho Sam! - Digo entre dentes - Muito obrigado.
O polícia aproxima-se de mim e faz sinal para os colegas que levantam imediatamente as armas. 
- Nome e idade! - Diz ele
Penso numa identidade falsa.
- William Church, 27 anos. - Minto
- William, está preso por assalto à mão armada à casa de Neil e Samantha Grogan! - Diz ele agarrando num par de algemas
De repente, oiço um barulho de motor de carro... reconheço o barulho! É o Sam.
Com uma derrapagem, ele atropela os polícias restantes. Isso foi suficiente para desviar a atenção do polícia na minha frente, e assim agarro na arma e na mochila.
Com um murro, consigo fazer com que o polícia da frente caia no chão.
- Aleluia Sam! Estava a ver que não era hoje! - Suspiro correndo para o jipe
- Tive uns problemas... - Diz ele com um sorriso malandro
- Se os teus problemas se chamarem Rose, eu percebo! - Brinco
Ele ri-se.
- Tens tudo contigo? - Pergunta enquanto eu entro no jipe
- Iá! Podes ir! - Digo
Ele entra no jipe e acelera o máximo que pode. 
- Para o sítio combinado? - Pergunta ele
- Sim. - Digo, abrindo a mochila
Ele espreita para a mochila e fica boquiaberto. 
- Uau! Bela pescaria! O que tens mais aí? - Pergunta curioso
Orgulhoso, começo a mexericar na mochila.
- Quatro colares de ouro, três rubis, 40 000 dólares em dinheiro real, 25 pedras preciosas, entre elas, safiras, diamantes, esmeraldas e ágatas. Brincos de prata, louça em prata e ouro real e duas armas pesadas... - Informo
- Mais nada?
- Bem, trouxe-te uma coisinha para tu te entreteres! - Brinco
Ofereço-lhe um peluche que encontrei no quarto da bebé deles.
Ele dá uma gargalhada sonora.
- Que bonito! Um tigre de peluche! - Ri-se ele
Fecho a mochila e abro o vidro do jipe. Coloco a cabeça de fora.
O cheiro do início da selva começa a entrar-me pelo nariz. Aquele cheiro tão familiar, tão bom, tão exótico...
O carro pára.
- Chegamos! - Diz o Sam
Saio do carro e passo a mão pelo meu cabelo.
- Dylan! - Grita a minha irmã mais nova, saltando para os meus braços
- Hey! Olá! - Digo abraçando-a
- Tive tanto medo por ti... - Suspira ela
- Tens sempre! - Suspiro
- Dá-me uma razão para não ter. - Ela sorri
Pouso a mochila perto de mim e coloco as minhas mãos nos ombros dela.
- Maggie, tu sabes que eu safo-me sempre, não sabes? - Pergunto-lhe
- Sim, mas e se algo corre mal? - Diz ela preocupada
- Se algo correr mal, foi por tua causa. - Brinco
Ela dá-me uma palmada.
- Se algo correr mal, ao menos sabes que foi culpa minha e que sou um totó! - Digo
Ela sorri.
- Gosto muito de ti. - Diz ela voltando a abraçar-me
- Eu também gosto muito de ti. 
Ficamos abraçados durante um longo tempo. 
- E embora eu tenha nove anos, eu bem sei que me prometeste uma coisa desta vez... - Diz ela
- Diz ao Sam que te dê o que lhe dei. - Declaro
- Mas tu deste-lhe...
- Mas era para ele te dar a ti! - Pisco-lhe o olho
Ela corre para o Sam e salta-lhe para as costas.
Volto a colocar a mochila nos ombros e entro dentro daquela cabana pequena, mas onde fui tão feliz.
Tenho saudades da mãe e do pai. Sinto a falta deles todos os dias.
- Olá mãe. Olá pai. - Digo baixinho para as fotos deles
Pouso uma pequena jóia em forma de rosa perto das fotografias.
- Aqui está a minha prenda para vocês... - Digo com uma lágrima nos olhos
- Dylan? - Pergunta o Sam à porta da cabana - Posso entrar?
Afirmo com a cabeça.
- Nunca cheguei a saber o verdadeiro porquê da morte dos teus pais. - Diz ele
- Foi o vírus. - Digo rapidamente
Ele emite um grunhido.
- Porcaria de vírus. - Diz ele
Sorrio. O Sam consegue sempre fazer que eu sorria.
Saímos da cabana e vejo que a Maggie brinca com o tigre de peluche perto da Rose, a namorada de Sam.
- Olá Rose. - Digo-lhe
- Olá! - Diz ela alegremente - Correu tudo bem?
- Corria melhor se tu e o Sam não tivessem "problemas" com o carro. - Digo com um sorriso grande
Ela ri.
- A sério, vocês têm de parar com isso. Qualquer dia ainda... - Diz ela um pouco preocupada
- Não vai acontecer nada! - Digo - Nós precisamos destes roubos para conseguirmos sobreviver! Prometo que um dia vamos parar.
Ela olha para mim e depois para o Sam com um ar de julgamento.
- Vou fazer xixi! - Diz a Maggie
- Não tropeces! - Digo-lhe
O Sam senta-se perto da Rose e eu faço o mesmo.
- Quanto conseguiram? - Pergunta ela curiosa
- Perto de dez milhões. - Informo
Ela leva as mãos à boca.
- Uau! Tanto! - Diz ela
- Mas não chega para pagar todas as dívidas. Lembra-te que ainda devemos mais vinte mihões ao banco devido ao tratamento dos meus pais e depois ainda temos os custos da casa e da educação da Maggie. - Digo amargamente
- Oh pois... - Diz ela revirando os olhos
Ficamos calados.
- Acho que a Maggie está a demorar demais. - Diz o Sam
- Maggie! - Grita a Rose - Já acabaste?
Não recebemos resposta e eu levanto-me imediatamente.
- Maggie? - Grito
Corro para a casa de banho exterior.
- Maggie! - Grito
Vejo a Maggie caída no chão, sem sentidos.
- Que horror! - Grita a Rose
Ela atira-se para perto dela e coloca dois dedos no pescoço da Maggie.
- Ufa, ela está bem, só desmaiou! - Suspira o Sam
- Ok Sam, mas é estranho ter desmaiado do nada! - Diz a Rose, que é médica na cidade, daí os seus conhecimentos - Tenho de fazer um pequeno exame lá dentro, será que a podem levar?
Pego a Maggie ao colo e levo-a para o pequeno consultório dentro de casa.
A Rose pede-nos para sairmos e assim fazemos.
Olho para o Sam. Estou preocupado.
- Está tudo bem. - Tranquiliza ele
Passado perto de uma hora, a Rose sai do consultório.
- Podem entrar, ela está a dormir. - Diz ela suavemente
Entramos e vejo que a Maggie tem uma ligadura no braço.
- O que aconteceu? - Pergunto
- Dylan, o que vou dizer é muito mau, a sério. Tens a certeza? - Pergunta ela
- Sim, diz-me já. - Digo um pouco furioso
Ela suspira e abre a boca, voltando a fechá-la.
- Ok, a Maggie está infetada. - Diz ela muito rapidamente - E eu também...
Quando compreendo o que ela quer dizer, paraliso e corro para perto da Maggie.
- Quantos dias? - Pergunto com lágrimas prestes a sair dos olhos
- Perto de um mês para ela... - Diz ela
- E para ti? - Diz o Sam abraçando-a
Ela começa a chorar.
- Oh Sam, desculpa! Eu não te queria contar.... - Soluça ela
O Sam fica completamente branco.
- Há quantos dias estás infetada Rose? - Pergunta ele quase silenciosamente
Ela funga o nariz.
- Há cerca de duas semanas. Eu pensava que era apenas uma febre normal... - Diz ela - Tenho apenas mais esta semana de vida.
O Sam engole em seco e senta-se em cima de uma maca.

Calor

2 comentários

Comentar post

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL

Ranking