Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

15
Jul17

"Bruxa"

João Jesus e Luís Jesus
Bruxa

Cada vez que avistavam a sua casa, corriam a sete pés.
Cada vez que ouviam a sua voz, tapavam as orelhas e escondiam-se dela.
Cada vez que viam fumo a sair de sua casa gritavam e rezavam.
Cada vez que a viam benziam-se e fugiam sem dizer uma palavra.
Já estava habituada a isso. A sua família sempre fora conhecida e tratada igualmente.
Mas ela sentia-se mal! Ela queria ter amigos, brincar com as crianças, construir uma família e falar com os vizinhos e talvez fazer jantares em sua casa e ter convidados.
Mas ninguém gostava dela, aliás, até os bichos fugiam dela. Estava completamente só num sítio cheio de gente.
Já lhe tinham chamado muitos nomes horríveis, mas o que mais a marcava era a palavra "bruxa". 
A sua família era conhecida como a família da bruxaria. Agora ela era a última, pois várias vezes, os aldeões matavam os seus, acusando-os de praticar feitiçaria negra.
Mas ela nunca fez nada disso. Sentia-se mal por acharem isso dela. Ela era apenas uma senhora nos seus cinquenta e sete anos, pobre e um pouco feia, não era bruxa, nem o diabo nenhum.
Então, aos poucos, ela foi-se habituando ao que lhe chamavam. Ela começou a pensar que se lhe chamavam isso tantas vezes, era porque ela era uma bruxa, então eles tinham toda a razão. 
Cada vez que lhe chamavam isso, ela tentava controlar-se para dizer que não era, mas então, lembrava-se do que tinha aprendido: se todos dizem o mesmo, é porque é verdade. Então, para se controlar, quando chegava a casa, colocava um ferro já branco de tão quente estar, nos braços, ou na perna esquerda e ate nas costas.
Ela queria ser normal. Ela não queria ser uma bruxa.
Ela queria apenas uma família e alguém que gostasse dela.
Um dia, foi encontrada morta perto da floresta. As suas feições estavam destruídas devido à punição que ela fazia a si própria. Mas, conseguia ver-se uma leve expressão de alívio, como se esta quisesse morrer.
E afinal, ela queria mesmo, pois só perto da sua família já falecida, ela estaria feliz.

Calor

6 comentários

Comentar post

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL