Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

16
Ago17

"Amar Em Queda Livre" - Ana Ribeiro

João Jesus e Luís Jesus

b817f1ddcb37d10fb043c1f25e2c899b.jpg

 

Faz hoje meio ano que me proporcionaste o momento mais mágico e inesquecível da minha vida. Lembro-me de tudo como se fosse hoje, passeávamos juntos pela marginal, entrelaçados um no outro quando… com aquele teu olhar: terno, doce, infinito e enamorado me disseste:
– Prepara-te porque hoje vou levar-te a viver a noite mais longa e indescritível que possas imaginar… 
Olhei para ti de olhos bem abertos, como se fossem o mais intenso despertar solar, tentando decifrar o mais pequeno detalhe daquilo que podia esperar; mas nada consegui descobrir.
– O que vai acontecer?
– Isso não posso dizer, minha estrelinha! Mas dou-te uma singela pista: e se pudesses tocar o céu desde o infinito?
Ele estava sempre a dizer-me que eu era a estrela cintilante da sua vida.
– Assim como o amor nos toca na imensidão daquilo que nós somos?
– É quase isso…
Aquele seu ar misterioso fazia as borboletas esvoaçarem no meu coração. Não continha a curiosidade. O passeio durou mais alguns minutos: largos minutos, aproximava-se a hora de jantar quando ele me levou até às proximidades de um dos edifícios mais emblemáticos da cidade: era um edifício todo feito em vidro, fazia-nos sentir completamente transparentes quando entravamos no seu interior. Mas na verdade, não era o factor transparência que mais atraía as pessoas, mas sim, a vista desde o seu topo. Inigualável, dizia quem já lá tinha ido.
A expectativa aumentou ainda mais. Entramos e apanhamos um elevador para o último piso, o edifício tinha um total de catorze andares. Aproveitamos o facto de irmos sozinhos para namorarmos, como naquelas cenas idílicas dos filmes românticos. Estava feliz por estar ali e ter ao meu lado, a pessoa que mais amava; quando menos esperamos o click avisando que tínhamos chegado ao andar pretendido. As portas abriram-se e… quase fiquei sem fôlego. Tinha à minha frente uma enorme janela panorâmica com vista para a cidade, fiquei sem palavras para dizer. Caminhamos juntos e seguimos para o terraço aonde nos esperava uma romântica mesa de jantar, foi impossível não me emocionar. Abracei-o e agradeci a qualquer entidade divina por ter colocado aquele homem no meu caminho. 
 
Pegamos em dois copos de vinho verde-branco e poisamos na varanda, abraçados deixamo-nos levar pelo silêncio da noite e o brilho das luzes que pareciam aumentar de intensidade na mesma medida que o nosso amor aumentava a cada dia que passava. Por entre sorrisos comprometedores e pequenos golos de bebida, namoramos mais um bocadinho, sussurramos juras de amor eterno e prolongamo-nos. Depois sentamo-nos finalmente à mesa, deparei-me com um pequeno ramo de camélias e um delicado embrulho, há pequenas coisas que deixam qualquer mulher rendida. Cheirei as camélias suavemente e depois abri o embrulho, deparando-me com um par de brincos em forma de estrela com cristais Swarovski. O verdadeiro amor também pode ser uma verdadeira pedra preciosa; aliás, a minha cara-metade era sem dúvida a maior pedra preciosa que podia ter conhecido, aproximei-me dele e roubei-lhe o beijo mais intenso.
– Gostaste do presente?
– Amei! Obrigada, são lindos.
– Fico feliz! Espero que possam simbolizar o quanto te amo.
Quase me desfiz em lágrimas. Emocionada, não perdi tempo e coloquei-os logo.
– Também te amo!
– Agora sim, és a estrela cadente mais perfeita.
Celebramos o amor noite dentro, tínhamos aquele terraço todo reservado só para nós. Já a noite ia longa quando nos sentamos no chão, embrulhados em mantas a desfrutar do pôr-do-sol, faltavam pouco mais de quinze minutos para as sete da manhã. A cidade despertava para mais um dia, enquanto eu continuava a saborear o melhor do amor. De repente, um barulho ensurdecedor fez-se ouvir à nossa volta. Quando menos esperei surgiu uma pequena avioneta que aterrou precisamente junto de nós na mini-pista que se encontrava no topo do edifício aonde estávamos. Despertou a minha atenção, uma singela frase escrita de um dos lados do aparelho:
– Voas comigo, estrelinha?
Aceitei com um sorriso.
– Eu disse, não disse que iria ser a noite mais longa e indescritível da tua vida?
– E está mesmo a ser…
Envolvidos naquela aura de amor, assistimos ao amanhecer e voamos céu adentro.
– Espero que o nosso amor seja sempre interminável como o céu e possa voar para sempre em queda livre.
E foi assim que do nada nos lançamos sobre o mundo, feitos de amor, sem tempo e sem vagar. Nunca hei-de esquecer este dia: o dia em que o nosso amor se balançou em queda livre, para ficar para sempre.
E vocês também amam em queda livre? Sem nada a temer e sem nada a esconder?
 
Texto de Ana Ribeiro, escritora e blogger do blog "Escreviver"

3 comentários

Comentar post

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL