Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

16
Set17

"Um Texto Sem Nome"

João Jesus e Luís Jesus

flower-1792576_1920.jpgLá no fundo, a nossa personagem sabe o que todos acham dela.

Acham que é parva, feia e o mais importante, chata. A palavra que ela mais detesta na vida.

 

 Desde criança, ela sempre fora muito brincalhona. Gostava de ver todos sorrir, gostava de dizer piadas, gostava de estar à vontade... E gostava que os outros também gostassem disso.

Mas os outros não pareciam gostar muito dela. Ou por ela ser trapalhona, ou por ser feia e como sempre, chata outra vez. 

Não queria mostrar o que sentia realmente, por isso, limitava-se a fazer de novo o seu papel cómico, embora ninguém lhe desse importância.

Sentia-se mal, até consigo mesma e sentia-se sobretudo, fracassada, pois não conseguia cumprir o seu principal objetivo: deixar as pessoas à vontade e com um pouco de alegria.

Quando ninguém a via, chorava silenciosamente. Não queria que a vissem. Até o marido, por vezes, fartava-se dela.

Quando alguém sorria das piadas dela, lá se sentia um pouco melhor. Mas sentia sempre o mesmo fracasso.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

26
Ago17

"Companhia"

João Jesus e Luís Jesus

napkin-ring-2577635_1920.jpg

 Ela tinha acabado de pousar o último guardanapo na mesa. Estava contente pelo seu trabalho.

A mesa enorme da sala estava decorada e muito bem posta. Demorara muito tempo, mas estava perfeita. 

Olhou para o relógio. Os convidados estavam a chegar. 

Ela correu para o espelho e ajeitou os cabelos. Queria que aquele jantar fosse bom e bonito. 

Correu para a porta da entrada e abriu-a. Estava contente. Finalmente ia ter companhia! Ia estar com a sua família.

Olhou novamente para o relógio. Já passava da hora combinada, mas os convidados atrasam-se sempre, então continuou a esperar, com esperança que aparecesse alguém.

A noite já chegava quando ela fechou a porta. Não iria chegar ninguém para jantar, ia estar sozinha.

Uma lágrima desceu pelo seu rosto. A sua família rejeitava-a sempre. Não iam às suas festas, não a convidavam para eventos familiares e raramente falavam com ela.

Tentou recompor-se e colocou de novo um sorriso na sua cara. Não iam estragar aquela noite.

Andou até ao quarto que tinha feito para as suas sobrinhas brincarem. Agarrou em algumas bonecas velhas, as mais bonitas que encontrara, e levou-as para a sala, colocando uma em cada cadeira.

- Bom apetite. - Disse ela para as bonecas, começando a sua refeição

 

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL