Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

14
Jan18

"Risadas"

João Jesus e Luís Jesus

hands-2888625_1920.jpg

Bruno entrou na sala pequena e mal iluminada.

Sabia o que ia acontecer. Era inevitável.

Aproximou-se da cama perto da janela, que tinha a persiana corrida. Lá estava o seu tio, a pessoa que ele mais gostava. 

- Oh, meu Bruninho. - Suspirou ele mal o viu

Bruno sorriu, embora sentisse algo estranho dentro de si, como uma serpente a mexer-se. Sabia que iria começar a chorar em breve.

- Olá, tio Miguel. - Disse

O tio deu uma pequena gargalhada. 

- Pensava que já não irias ver o teu velho tio antes de morrer. - Disse ele

Bruno sentiu o coração a apertar-se. Tinha de se controlar, ou iria chorar mesmo à frente do tio.

- Não pense nisso. Eu iria vir de qualquer das maneiras. - Sussurrou ele e sentou-se perto do tio

O tio tinha lágrimas nos olhos.

- Tenho muito orgulho em ti, Bruninho. - Revelou

Bruno apertou a mão do tio.

- E eu gosto muito de si, tio. - Disse-lhe - Nunca se esqueça de mim, esteja onde estiver, ok?

As lágrimas ameaçavam sair.

- Prometo que não me esqueço. - Combinou - Mas acho melhor contares-me alguma piada, daquelas melhores que tu sabes, para eu nunca me esquecer dos melhores momentos contigo.

Bruno não estava com cabeça para aquilo. Mas era o seu tio, era o seu último pedido, tinha de o cumprir.

- Estou a pensar numa tio... - Informou

- Demora o tempo que precisares, meu filho.

O tio apertou-lhe mais a mão. Não queria despedir-se do seu sobrinho, o filho que ele nunca teve.

Bruno lembrou-se da piada e contou-a ao tio devagarinho, tim-tim por tim-tim. 

Muito rapidamente o tio se começou a rir. Riu-se como Bruno nunca o ouvira. Continuavam de mãos dadas enquanto os dois se riam.

Bruno notou numa lágrima que deslizava pelo rosto do tio. Ia ter saudades dele.

O tio começou a parar de se rir e a fechar os olhos. Bruno não o impediu, sabia que a hora tinha chegado.

O tio fechou os olhos, a lágrima caiu para os lençóis da cama e ele nunca mais proferiu nada. Tinha acontecido.

Bruno levantou-se, sem largar a mão do tio e beijou-lhe a cabeça. 

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

13
Jan18

"Mãe" - Miguel Torga

João Jesus e Luís Jesus

swan-2494925_1920.jpg

Mãe: 

Que desgraça na vida aconteceu, 
Que ficaste insensível e gelada? 
Que todo o teu perfil se endureceu 
Numa linha severa e desenhada? 

Como as estátuas, que são gente nossa 
Cansada de palavras e ternura, 
Assim tu me pareces no teu leito. 
Presença cinzelada em pedra dura, 
Que não tem coração dentro do peito. 

Chamo aos gritos por ti — não me respondes. 
Beijo-te as mãos e o rosto — sinto frio. 
Ou és outra, ou me enganas, ou te escondes 
Por detrás do terror deste vazio. 

Mãe: 
Abre os olhos ao menos, diz que sim! 
Diz que me vês ainda, que me queres. 
Que és a eterna mulher entre as mulheres. 
Que nem a morte te afastou de mim! 

Miguel Torga, in 'Diário IV' 

12
Jan18

"Do Alto"

João Jesus e Luís Jesus

moon-3059861_1920.jpg

Estava com os olhos fechados, a dormir profundamente quando acordou de repente.

Sentia algo estranho no ar, um cheiro suspeito e um som aterrorizante ao longe. As suas penas eriçaram-se de imediato.

Sabia que algo mau vinha aí. 

Olhou com mais atenção para o horizonte. Via bem de noite, mas estava muito nublado, muito escuro... Não via quase nada!

De repente, chegou um enorme estrondo bem perto da sua árvore. 

Era água! Litros e litros dela! De onde é que veio tanta? 

As luzes das casas mais próximas iam ligando-se uma a uma, mas a água chegava às casas muito rapidamente, destruindo a maioria. 

Não sabia o que fazer! Estava encurralada! Tinha de voar para muito longe para um sítio seguro.

Porém tinha pena dos humanos lá em baixo. Ouvia-se gritos, ouvia-se o som da destruição.

Fechou os seus enormes olhos de coruja e desejou que tudo ficasse bem. Vivia ali desde que nascera.

Ouvia cada vez mais gritos, cada vez mais dor. Deixou cair uma lágrima no enorme rio que se estendia abaixo de si. 

A sua árvore ameaçava cair. Tinha de ir embora.

Abriu as asas e voou. Olhou para trás, não via mais nada sem ser a água a engolir tudo o que via. A sua árvore caiu com um enorme "chape" na água.

Continuou a voar. Tinha de chegar a um sítio seguro.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

 

 

10
Jan18

"Amor Erótico" - Ana Ribeiro

João Jesus e Luís Jesus

falar_amor.jpg

Há já alguns dias que tudo se repetia. Todas as noites J. tinha o mesmo sonho, um sonho persistente que o fazia acordar sistematicamente sobressaltado, ofegante e a transpirar. Já não conseguia regressar à cama e voltar a dormir, de boxers e roupão vestido, ia até à cozinha, enchia uma chávena de café bem quente e ficava horas na escuridão da sala, sentado no sofá sobre o vazio da noite. Nunca mais conseguia sossegar, aquele sonho, parecia persegui-lo.

Via e revia tudo tempos a fio. Tudo começava com um cenário todo branco, paredes brancas, sem nada, uma cama ao centro, um nevoeiro esfumado no ar que fazia com que não conseguisse vislumbrar mais pormenores. Do nada aparecia um vulto feminino, belo e esbelto, longos cabelos loiros, sorriso fácil e de lingerie branca. Lentamente ia-se aproximando dele, e num único movimento, puxava-o para si a partir do decote da camisa axadrezada que trazia vestida, para depois o empurrar bruscamente de encontro à cama e assim possuí-lo sofregamente noite dentro. E era assim que tudo começava.

Por entre beijos intensos e carícias, roupa que voava em direcção ao chão, a mão que acariciava cada fio de cabelo dela, que explorava o corpo dela. Os lábios carnudos dela, que lhe humedeciam a pele, as mãos suaves, doces e ternas que percorriam o seu corpo, lhe apertavam a pele e a carne e que o faziam gemer e contorcer-se de prazer, atingindo o clímax, num orgasmo fervilhante. Como adorava as curvas dela, percorrê-las, senti-las, os seios perfeitos, simétricos e quentes que faziam faísca na humidade e frescura dos seus lábios, no suor libertado pelo corpo dela, o ventre duro e macio, desalinhado como as dunas no deserto. A excitação no seu auge. Aquele amor despido, carnal, intenso, vivido no limite, a necessidade e saciedade de um corpo, de contacto físico.

De repente, ela levanta-se, deixando praticamente tudo a meio, ainda havia sensações, cheiros e aromas para explorar e descobrir, nua, sem mais nada que a protegesse, veste a camisa dele. Acena, atira-lhe um beijo e difunde-se na névoa.

J. acorda, e é assim que tudo termina todas as noites, sem mais nenhum detalhe a acrescentar, mas desta vez, tudo foi diferente. Encontra nas costas da cadeira a sua camisa, a camisa do sonho, e de repente sem nada que o fizesse prever… sente o cheiro dela.

Sorri, veste a camisa. E sai…

 

Texto de Ana Ribeiro, escritora e blogger do blog "Escreviver"

08
Jan18

"Fama" - Capítulo XII

João Jesus e Luís Jesus

- Ai! Finalmente em casa. - Suspiro, assim que caio no enorme sofá do meu novo apartamento

Fecho os olhos. Estou tão cansada! 

- Ufa! Nem me posso mexer. - Diz a Dianne, sentando-se perto de mim

Fico quieta durante um grande tempo no sofá. De repente, o meu estômago começa a roncar.

Levanto-me, cheia de preguiça.

- Onde vais? - Pergunta a Dianne, baixinho

- Vou comer alguma coisa. - Digo

Ela olha imediatamente para mim.

- Lembra-te do que a Babuína te disse. - Avisa ela

Sorrio. Babuína foi o nome que demos à senhora que gritou comigo durante um bom tempo sobre os meus hábitos de alimentação.

Abro o frigorífico. Uau! Está cheio de coisas boas. Mas o meu sorriso desvanece-se, pois tudo que existe no frigorífico é light ou muito saudável, tudo dentro da dieta proposta.

Agarro num gelado se menta, claro, light! 

- Parece que hoje já andaram aqui a fazerem tudo para seguir a dieta à risca. - Digo, quando chego perto da Dianne - Só temos comida saudável cá em casa.

A Dianne ri-se.

O gelado até é delicioso, mas falta-lhe aquele sabor a coisa que não faz muito bem para a saúde. Sinto falta disso.

A Dianne coloca um dedo no gelado e come uma grande porção dele.

- Se queres vai buscar. - Brinco

A campainha toca.

- Urgh, quem será agora? - Diz a Dianne revirando os olhos

Levanto-me e abro a porta.

- Oh! Liam! Olá. - Digo sorridente

O Liam entra em casa com o seu enorme sorriso habitual.

- Olá Chelsea. Olá Dianne. - Diz ele 

Fecho a porta.

- Então, gostaram do vosso primeiro dia? - Pergunta ele curioso

A Dianne olha para mim.

- Bem, foi estranho. Também só começamos hoje, amanhã de certeza vai ser melhor. - Minto

Ele senta-se no sofá.

- Ouvi dizer que ouve uns problemas com algumas pessoas na cantina. Essa gente! Arranja logo sarilhos no primeiro dia. 

A Dianne começa-se a rir imeditamente e engasga-se um pouco. 

- Hum, pois. - Digo-lhe, concentrando-me no meu gelado - Uma dessas pessoas..fui...eu.

Ele cala-se e fica a olhar para mim.

- Credo. Estás só no primeiro dia, Chelsea! - Diz ele, espantado - Já sabes que tens de cumprir as regras todas que eles dizem.

- Tu bem sabes que eu sou uma pessoa díficil que detesta seguir regras. - Revelo

- Não faz mal. - Diz ele, colocando a sua mão na minha perna

Uou! Parece que levei um choque elétrico!

- Hum, eu vou à casa de banho... acho eu. - Diz a Dianne, atrapalhada

Ela pisca-me o olho e entra na casa de banho.

- Quando é que a Dianne começa o curso de assistente? - Pergunto, para tentar mudar de assunto

- Acho que começa amanhã. - Diz ele, mas não retira a mão da minha perna

Olho-o nos olhos. Ele sorri levemente. Estou envergonhada.

- Isso é gelado de menta? - Ele agarra na minha colher e tira um grande pedaço de gelado - Adoro.

Ele come a colher de gelado. 

- Acho que o gelado era meu, mas ok. - Digo

Ele ri-se e eu começo a rir-me também.

- Gosto muito de ti, Chelsea. - Diz-me ele

- Eu também gosto muito de ti, Liam.

Ficamos parados a olhar um para outro e de repente, ele beija-me.

É um beijo muito longo. Mas estou a gostar!

- Ai! Ups! Desculpem, acho que ainda não terminei na casa de banho. - Diz a Dianne atrapalhada quando nos vê

Acabamos o beijo e desatamos às gargalhadas.

 

20916630_852581441564418_1179582757_n.png

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL